A história do Maracanã é bem conhecida pela maioria dos brasileiros. O Brasil teve o privilégio de sediar a primeira Copa do Mundo do pós-guerra e o ponto alto dessa organização foi a construção de um estádio novo, gigantesco, pois o Pacaembu e o estádio de São Januário já não acomodavam a massa cada vez maior de apaixonados pelo futebol.

O Maracanã foi inaugurado em 16 de junho de 1950, com capacidade para 200 mil espectadores. Foi palco de cinco dos seis jogos da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, incluindo a final do dia 16 de julho. Precisando apenas do empate, o Brasil perdeu por 2 a 1 para o Uruguai e terminou como vice-campeão, gerando uma onda de frustração por todo o país.

Passado o choque inicial, era chegada a hora de utilizar o Maracanã para o Campeonato Carioca. O Vasco era o atual campeão da competição e, ainda por cima, invicto. O Expresso da Vitória esteve no auge de sua forma em 1949 e havia conquistado 18 vitórias e 84 gols em 20 jogos, numa campanha que até hoje detém o recorde de ter sido a melhor de toda a história do profissionalismo carioca.

Mas em 1950 os jogadores vascaínos estavam abatidos. Também, pudera: nada menos do que oito jogadores (Barbosa, Augusto, Danilo, Eli, Ademir, Chico, Maneca e Alfredo II) e mais o treinador (Flávio Costa) haviam tomado parte na delegação brasileira derrotada em casa pelo Uruguai na Copa do Mundo.

Grande parte da imprensa, que já naquela época não gostava muito do Vasco, aproveitou para explorar ao máximo o trauma da perda da Copa a fim de prejudicar a equipe cruzmaltima. E quase conseguiu seu objetivo. O Vasco realmente teve um começo irregular e, só no primeiro turno, sofreu 3 derrotas (América, Fluminense e Botafogo), fato raro para um time reconhecidamente superior a todos os outros.

À medida que a tristeza pela perda da Copa foi passando, o Vasco foi ganhando mais e mais confiança e voltou a ser o velho “Expresso” de outros tempos, goleando, no segundo turno, o Flamengo por 4 a 1 (e mantendo um tabu de 6 anos sem derrotas para o rival) e o Fluminense por 4 a 0.

Só que, mesmo tendo vencido todos os jogos do segundo turno, o Vasco só conseguiu alcançar a liderança na penúltima rodada, após derrotar o Botafogo por 2 a 0. O Vasco ficou então um ponto à frente do América: 32 a 31. E, como a tabela marcava para a última rodada o jogo Vasco x América, uma vitória rubra poderia pôr a perder a brilhante recuperação da equipe vascaína.

E foi nesta situação que pisaram o gramado do Maracanã no dia 28 de janeiro de 1951 (por causa da Copa do Mundo, o Campeonato Carioca começou atrasado e só pôde ser concluído no ano seguinte) C.R. Vasco da Gama e América F.C.: ao América, só a vitória interessava para que conquistasse o seu sétimo título carioca; e o Vasco, com um simples empate conquistaria o nono título carioca de sua história, o quarto em seis anos.

Mais de 100 mil pessoas foram ao Maracanã (na época, chamado apenas de “Estádio Municipal”) naquele domingo, para acompanhar esta verdadeira decisão. O América tinha um ataque perigoso, conhecido como “tico-tico no fubá”. Outro ingrediente da decisão era um confronto entre dois irmãos: Eli do Amparo, do Vasco, e Osni do Amparo, do América.

O Vasco começou melhor e saiu na frente logo aos 4 minutos, com um gol de Ademir Menezes. O América empatou aos 40 minutos, por intermédio de Maneco. O primeiro tempo terminou com um empate em 1 a 1.

Foi no vestiário do Vasco, durante o intervalo, que ocorreu o fato que decidiu o campeonato. Ipojucan, atacante do Vasco, não se sabe por que motivo, estava reclamando de falta de ar e não queria de maneira alguma voltar para a etapa final. O técnico Flávio Costa, que conhecia muito bem seus jogadores, achou que o vascaíno estava fazendo corpo mole e mandou-o de volta a campo debaixo de tapas.

Anos depois, Flávio Costa explicou em uma entrevista como tudo aconteceu: “Eu levantei o Ipojucan no peito e dei-lhe duas bofetadas. Mas não foram bofetadas de agressão, não. Foram terapêuticas. E ele se apavorou e saiu correndo. Eu atrás dele: “Você vai entrar de qualquer maneira!”.”

A tática do comandante do Expresso da Vitória funcionou parcialmente. Se, por um lado, Ipojucan não jogou nada no segundo tempo, limitando-se a fazer número na ponta-direita, por outro lado foi dele o passe que resultou no gol da vitória do Vasco, de Ademir Menezes, aos 29 minutos.

Ainda aconteceu, no campo, uma briga que resultou com a expulsão de dois jogadores de cada time pelo árbitro Carlos de Oliveira Monteiro (conhecido como “Tijolo”), aos 43 minutos: Eli, Laerte (Vasco), Osmar e Godofredo (América).

A torcida do Vasco, no entanto, pouco ligou para a briga, pois já estava comemorando o título e homenageando Ademir Menezes (artilheiro do Carioca com 25 gols) com uma paródia de uma música do Carnaval de 1951:

“Oi zum-zum-zum zum-zum-zum-zum/ Vasco dois a um/ Ademir pegou a bola/ e desapareceu/ foi mais um campeonato/ que o Vasco venceu…”

Domingo, 28/1/1951
VASCO DA GAMA 2 X 1 AMÉRICA
Local: Maracanã (RJ)
Árbitro: Carlos Monteiro
Renda: Cr$ 1.577.0144,00
Público: 104.067
Gols: Ademir 4′, Manec0 40′, Ademir 74′
Expulsões: Godofredo, Laerte, Osmar e Eli
VASCO: Barbosa; Augusto e Laerte; Eli, Danilo e Jorge; Alfredo, Ademir, Ipojucan, Maneca e Dejair. Técnico: Flávio Costa
AMÉRICA: Osni; Joel e Osmar; Rubens, Osvaldinho e Godofredo; Natalino, Maneco, Dimas, Ranulfo e Jorginho. Técnico:Délio Neves

Jornal dos Sports (29/01/1951)
Jornal dos Sports (29/01/1951)
Jornal dos Sports (29/01/1951)
A Noite (29/01/1951)

Campanha vascaína no Campeonato Carioca de 1950:

20/08/1950- São Januário- Vasco 6 x 0 São Cristóvão- Maneca (2), Ipojucan (2), Ademir e Lima
27/08/1950- Maracanã- Vasco 3 x 2 Bangu- Ademir (2) e Tesourinha
03/09/1950- São Januário- Vasco 2 x 3 América- Maneca e Ademir
10/09/1950- Leônidas da Silva- Vasco 4 x 0 Bonsucesso- Ademir (3) e Maneca
17/09/1950- Rua Bariri- Vasco 3 x 1 Olaria- Ipojucan (2) e Lima
24/09/1950- Maracanã- Vasco 2 x 1 Flamengo- Ademir e Alfredo II
01/10/1950- Maracanã- Vasco 1 x 2 Fluminense- Ipojucan
08/10/1950- Maracanã- Vasco 0 x 1 Botafogo
15/10/1950- São Januário- Vasco 9 x 1 Madureira- Dejair (4), Ademir (2), Álvaro (2) e Maneca
22/10/1950- São Januário- Vasco 7 x 0 Canto do Rio- Ademir (2), Dejair (2), Jansen, Maneca e Tesourinha
29/10/1950- Figueira de Melo- Vasco 5 x 1 São Cristóvão- Dejair (3), Ademir e Tesourinha
05/11/1950- Conselheiro Galvão- Vasco 3 x 2 Madureira- Ademir (2) e Dejair
19/11/1950- São Januário- Vasco 4 x 0 Olaria- Ademir (3) e Alfredo II
26/11/1950- Maracanã- Vasco 4 x 1 Flamengo- Ipojucan (3) e Alfredo II
10/12/1950- São Januário Vasco 7 x 2 Bonsucesso- Ademir (3), Dejair (3) e Maneca
17/12/1950- Caio Martins- Vasco 4 x 2 Canto do Rio- Maneca (4)
31/12/1950- Maracanã- Vasco 2 x 1 Bangu- Ipojuca e Maneca
06/01/1951- Maracanã- Vasco 4 x 0 Fluminense- Ipojucan (3) e Ademir
14/01/1951- Maracanã- Vasco 2 x 0 Botafogo- Maneca e Ademir
28/01/1951- Maracanã- Vasco 2 x 1 América- Ademir (2)

Fonte: NetVasco (Texto) Blog do Marcão (Ficha Técnica) Jornal dos Sports e A Noite (Imagens)

2 Comentários ( Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. )

  1. Eu fui a esse jogo no Maracanã com meu pai e meu irmão, criança ainda. O jogo quebrou o record de renda da América do Sul. Estava lotado. O América possuía muitos torcedores. O que mais impressionou foi a vibração do meu pai no gol do Ademir do segundo tempo. Não parava de gritar gol. A torcida cantava o zum zum zum zum zum Vasco 2 x 1, Ademir pegou a bola e desapareceu!.
    Voltamos de trem para nossa casa em Piedade e o povo não parava de cantar. Como o Vasco é grande. História magnífica que não pode ficar nas mãos de aventureiros.

  2. Esse VASCO da GAMA, e o LENDÁRIO e INESQUECÍVEL EXPRESSO da VITÓRIA!

    Foi o EXPRESSO da VITÓRIA e a nossa RESPOSTA HISTÓRICA da CARTA enviado a AMEA no dia 07 de Abril de 1924, que me forjaram nesse VASCAÍNO GENUÍNO, LEGÍTIMO e VERDADEIRO que se iniciou naquela tarde de dia 09 de Agosto de 1970, na qual era um menino precoce ainda de 08 aninhos, que se apaixonou-se com a camisa com as faixas em diagonal (MUITO LINDO) por sinal e nesse anos de 1970 tínhamos quebrado o jejum de 12 anos na fila e voltamos a conquistarmos um Estadual com aquele time que era a base do time do VASCO da GAMA que quatro anos depois se sagraria na primeira equipe CARIOCA a se sagrar em CAMPEÃO BRASILEIRO de 1974!

    Todos os Times do CLUB de REGATAS VASCO da GAMA contam um pouco da nossa TRAJETÓRIA, sendo a RAZÃO da NOSSA EXISTENCIA, dos homens, GUERREIROS que deixaram os seus nomes ESCRITOS e REGISTRADOS na GALERIA de NOSSA SALA de TROFÉUS em SÃO JANUÁRIO e as FAÇANHAS IMORTALIZADAS na SALA de TROFÉUS unindo o nosso PASSADO, PRESENTE e o FUTURO!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.