Setenta anos depois de 1948, vinte anos depois de 1998, o Vasco estará de volta à Libertadores em 2018. Torcida, jogadores, dirigentes e comissão técnica se abraçaram ao apito final contra a Macaca, num São Januário com recorde de público, mais de 22 mil pessoas celebrando e a mídia, alguns especialistas que previram a luta ferrenha contra o rebaixamento já lançavam ali seus prognósticos, dizendo que o time precisaria de muitos, muitos reforços, que o elenco, pra disputar uma Libertadores, era limitado.

No início, no primeiro minuto do campeonato teve o pênalti marcado contra o Vasco, estreando contra o campeão e fora de casa. Jomar não tocou no adversário, mas narrador, comentarista, repórter, todos concordaram que tinha sido pênalti mesmo, assim como o puxão que Yago Pikachu levou dentro da área uns dez minutos depois, este não marcado e logo esquecido, porque o time levou o segundo, o terceiro e o quarto. Quatro a zero Palmeiras e toda a mídia esportiva afirmava, em unanimidade rodrigueana: o Vasco vai brigar pra não ser rebaixado.

A declaração do presidente do clube, de que o time iria pras cabeças, virou meme e fez a festa de especialistas, mas não por muito tempo, porque logo na segunda rodada, contra o Bahia, entrou em campo um senhor nonagenário. Homenageado na camisa, pelos 90 anos completados neste 2017, São Januário, lotado, viu a vitória sobre o Tricolor baiano com gols do mesmo Pikachu do pênalti não marcado e de Luis Fabiano, fazendo o seu de número 400.

No jogo seguinte, ainda mais abarrotado, o velho e elegante estádio que, espero, jamais virará arena viu novo gol do Fabuloso, abrindo o placar, depois o festival de pênaltis pro Fluminense virar e então o petardo de Manga Escobar, que em seu jogo de glória com a camisa cruzmaltina deu ainda o passe pra que Nenê, no minuto final, virasse de novo o placar. Êxtase, delírio, loucura em São Januário que, depois da derrota maluca para o futuro campeão, veria ainda o time ganhar do Sport com Fabuloso marcando o primeiro, de novo ele, e o segundo de Douglas Luiz, mais recente joia milionária da base.

Contra o Avaí, Nenê arrancou pela esquerda pra dar o gol da vitória a Pikachu, na pequena área, e no jogo seguinte em São Januário, contra o Atlético Goianiense, o camisa 10 garantiu os três pontos em cobrança perfeita de falta. Em seis jogos, o Vasco conseguia a quinta vitória no gramado inigualável em história do estádio que não é só templo, nem somente caldeirão ou solo sagrado, é tapa na cara. Somado ao primeiro ponto fora, contra o Coritiba, esse desempenho em casa levou o Vasco, na décima primeira rodada, à sexta colocação, dentro da pré-Libertadores.

Então veio o jogo contra o Flamengo em São Januário, mas antes vieram as mensagens nas redes sociais incitando a violência dentro do estádio, e os ensaios de protestos contra o Corinthians e o Avaí. A política de sempre, a divisão criada, incitada e alimentada pela mídia que sempre torceu contra, sempre torcerá, não importa o presidente. Um grupo político quer voltar a presidir o Vasco, o mesmo grupo que em seis anos e meio de administração deixou o clube com dívidas triplicadas, água cortada, ginásio abandonado, alojamentos da base destruídos e duas vezes, como nunca antes deles na história, rebaixado.

Seis anos e meio porque tal grupo político, com o mesmo candidato atual, simplesmente não marcou as eleições no tempo determinado. Protelou o próprio mandato com a ajuda do Judiciário estadual por seis meses e, nesse período, assinou confissões e mais confissões de dívidas milionárias. A mídia soube disso e chegou a divulgar, sim, mas não nos títulos das matérias, porque na mesma entrevista coletiva sobre o estado em que o clube foi deixado, o atual presidente anunciou a candidatura à reeleição. Motivo dado, portanto, pra que a mídia varresse as denúncias pra debaixo do tapete de seus comentários e continuasse a apoiar incondicionalmente o grupo político que deixou o Vasco em tal estado lastimável, pré-falimentar, e que agora, de novo nos tribunais, quer voltar.

Ninguém na mídia achou estranho o comportamento dos policiais militares, que costumam partir pro confronto munidos de cassetetes, escudo e gás de pimenta, distribuindo cacetadas pra debelar logo qualquer confronto na arquibancada, mas não em São Januário. No estádio nonagenário homenageado na camisa, a PM ficou no meio do gramado, olhando e lançando suas bombas, deixando o pau cantar livre na arquibancada e só aumentando o barulho de guerra, de bomba, o terror descrito pelas fisionomias sérias dos apresentadores, não direcionadas à Polícia Militar nem à oposição, claro que não, mas à vítima de tudo aquilo, ao Vasco.

Nenhum jornalista incomodou o autor das mensagens incitando a violência em São Januário, nenhum repórter ou editor sequer se preocupou com o policial que postou nas redes sociais o vídeo dele mesmo se divertindo à beça atirando, do gramado, bombas de efeito moral no meio da arquibancada lotada. Não houve pena ou voz que cogitasse a possibilidade de todo o ocorrido em São Januário naquele Vasco x Flamengo ter sido provocado pelo grupo político que teria sérias dificuldades eleitorais no fim do ano, se o time continuasse daquele jeito e acabasse, imagina só, na Libertadores.

Não, nem uma suspeita foi levantada contra os aliados enquanto a mídia montava sua tese com a firmeza de um andaime enferrujado, engolindo de um talo, sem pestanejar nem questionar, as denúncias mastigadinhas dos órgãos oficiais. E logo apareceu um promotor parceiro, aliás, um que aparece a toda hora, o mesmo que há dez, onze anos, pediu a destituição da mesma diretoria atual do Vasco por um motivo muito importante, no caso a quantidade de pontos de venda de ingressos. Surgiu esse promotor em cena pedindo de novo a destituição da mesma diretoria, e junto pedindo a interdição de São Januário para todo o sempre, o que nos leva a imaginar qual seria o próximo passo de tão dileto promotor, onipresente nas páginas e telas da imprensa. Pediria ele, por algum motivo tão importante quanto a quantidade certa de pontos de venda de ingresso, pediria ele a demolição do estádio?

O STJD não agasalhou os desejos do promotor, mas impôs pena dura ao Vasco, que primeiro ficou sem seu estádio e empatou com o Santos no Nilton Santos vazio, empatou com o Palmeiras e perdeu do Atlético Paranaense e do Cruzeiro jogando em Volta Redonda. Depois voltou a São Januário vazio pra ganhar do Grêmio com show da torcida do lado de fora, ela que repetiu a dose contra a Chapecoense, no empate com gol espírita que hoje, com a classificação deles pra Liberta e também a nossa, faz todo o sentido.

Nesse tempo difícil o time perdeu também Luis Fabiano, lesionado até o fim do campeonato, e chegou a ficar perto da zona de rebaixamento. Relegada à primeira rodada, e mais nada, a bola de cristal unânime da mídia prevendo a luta contra o descenso esteve a dois, três pontos de voltar a fazer sentido. Os especialistas, com certo ar de alívio, retomavam com força as projeções sombrias para o time, que não vencia há cinco jogos quando Ramon acertou no ângulo pra decretar a segunda das duas vitórias, no turno e no returno, contra o velho freguês das Laranjeiras.

Em seguida veio o show da torcida do lado de fora de São Januário vazio contra o Grêmio, com o gol da vitória de Mateus Vital pra confirmar a ascensão da base vascaína, que se fez presente no momento mais difícil da campanha. Thalles, com um golaço, seu segundo e último no campeonato, teve seu canto do cisne na vitória inédita sobre o Vitória no Barradão, antes de se perder de vez na vida, abandonando um talento nato de goleador pelos prazeres da carne, do “crime”. No mesmo jogo Paulo Vítor fez o terceiro e Guilherme, além da jogada para o gol de Thalles, fez o quarto, sacramentando a única goleada do time, solitária vitória por mais de um gol de diferença em 38 jogos.

Contra o Galo, no Horto, quem brilhou foi Paulinho, que no primeiro gol recebeu bela enfiada de Escudero e no segundo, passe perfeito depois de arrancada fenomenal de Guilherme. E ungido pela sábia simplicidade de Valdir Bigode, Nenê deixou as vaidades de lado pra guiar a garotada na reta final, sendo ele, o veterano de 36 anos, o jogador mais decisivo. Nenê fez o gol da vitória contra o Botafogo, deu as assistências, batendo falta ou escanteio, para os gols de Paulão contra o Cruzeiro, de Breno contra o Vitória e do gol contra do Coritiba, e cobrou com perfeição mais uma falta pra dar a vitória contra o Santos na Vila Belmiro, depois do golaço de empate de Evander.

No jogo final, nosso maestro ainda teve a classe de dispensar o único pênalti marcado para o time em todo o campeonato, porque depois de cinco, seis não assinalados, ali já não precisava, já era tarde. Nenê jogou na trave e deixou os gols da vitória contra a Ponte Preta para o futuro, primeiro pra Paulinho, e depois pra Mateus Vital, ambos com a participação do melhor em campo na última rodada, o mesmo Pikachu do pênalti ignorado contra o Palmeiras, autor do gol inaugural da campanha contra o Bahia, no gramado inigualável em história de São Januário.

Setenta anos depois de 1948, vinte anos depois de 1998, o Vasco estará de volta à Libertadores em 2018. Torcida, jogadores, dirigentes e comissão técnica se abraçaram ao apito final contra a Macaca, num São Januário com recorde de público, mais de 22 mil pessoas celebrando e a mídia, alguns especialistas que previram a luta ferrenha contra o rebaixamento já lançavam ali seus prognósticos, dizendo que o time precisaria de muitos, muitos reforços, que o elenco, pra disputar uma Libertadores, era limitado.

Fonte: pautaevasco.blogspot.com.br

1 Comentário

  1. Deixa eu ver se entendi, Quer dizer que a mesma justiça que autorizou o uso da urna 7 na eleição , agora quer invalidar essa mesma urna por causa de supostas e falsas alegações? Me poupe essa juíza !!!
    Quero saber quanto que ela recebeu para defender seu cliente !

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.