Mais de oito mil invadindo o estádio sem ingresso, nas ruas idosos caindo, crianças chorando, atropelamento, saque, roubo e pancadaria generalizada, tudo ao mesmo tempo e na tevê os apresentadores, repórteres e comentaristas não pediam punição imediata, não, nem se mostravam indignados contra um clube específico, nem contra um dirigente, muito menos contra um estádio. Concordavam todos, isto sim, que aquelas cenas lamentáveis, envolvendo milhares de pessoas com a camisa de um mesmo time, eram um problema grave, mas de toda a sociedade.

Passada a onda do cheirinho, sem mais possibilidades de título para o queridinho no campeonato, a mídia viu no fim do ano passado a chance de uma felicidade ainda maior, com o possível não acesso do Vasco. Só que não. A mídia então entrou 2017 enfatizando sempre que podia, com números, tentando até ironia, a diferença abissal que havia no momento entre o queridinho dela lá em cima, favorito a todos os títulos, inclusive Libertadores, e o Vasco, que lutaria única e exclusivamente, o ano todo, pra não ser rebaixado.

Não importava muito que ali, no comecinho de 2017, o Vasco estivesse há nove jogos sem perder para o rival, com seis vitórias e três empates, tendo eliminado o queridinho da mídia em dois mata-matas num mesmo ano, no Carioca e na Copa do Brasil. Não, nada disso importava e passou a importar menos ainda depois do fim do jejum do Flamengo contra o rival mais odiado, logo antes do carnaval, na semifinal da Taça Guanabara, numa vitória que, pro lado deles, na história do confronto, pode ser considerada clássica: um a zero com gol de pênalti duvidoso, maroto.

Mas não pra mídia, claro, que além de ratificar, garantir a nitidez do pênalti maroto, inovou na final da Taça, na primeira mostra dada pelo queridinho no ano de que mesmo com o supertime de supercraques superfavoritos a tudo, sem a ajudinha extra de sempre, não dava. Tendo ao fundo a imagem dos jogadores do Fluminense comemorando a vitória nos pênaltis, a emissora detentora de todos os direitos de transmissão, de todos os campeonatos à base, diz o FBI, de muita propina, não exibiu o escudo do time com a inscrição esperada, de campeão, não. Em vez disso exibiu na tela a lista de todos os campeões da Taça, por ordem de número de títulos, que mostrava em primeiro, em cima, altaneiro, o time que acabava de ser vice pela primeira vez no ano, no caso, o Flamengo.

A eliminação diante do Vasco na semifinal da Taça Rio, em meio à Libertadores, foi considerada quase benéfica para o queridinho, ainda mais com o 0 a 0, sem derrota. E na final ainda mais desvalorizada pelo absurdo do regulamento, com a vitória cruzmaltina sobre o Botafogo dentro da casa deles, nem antes nem depois de Luis Fabiano, tendo desencantado fazendo o gol do título, erguer o troféu, em nenhum momento a emissora investigada exibiu a lista de todos os campeões da Taça, que mostraria em primeiro, no alto, o Vasco, e em segundo, o Flamengo.

E na final do campeonato, depois de ter quase ignorado a simulação de um árbitro, assunto no mundo inteiro, pra gritar sobre um pênalti que nada valia, a mídia fez vista grossa a outro daqueles fatos inacreditáveis que só acontecem com o Flamengo. Com a vitória de 1 a 0 do Fluminense, o jogo se encaminhava pra decisão por pênaltis quando, lá pelos quarenta do segundo tempo, Réver subiu fazendo falta escandalosa no adversário, pra cabecear a bola que redundou no gol de Guerrero. O juiz não só não marcou nada, como vibrou com o gol ilegal validado por ele, cerrando e balançando o punho rapidinho no calor do momento, sem conseguir se conter com a bola estufando a rede.

Enquanto isso, sem dar a menor importância aos sentimentos indisfarçáveis do árbitro, a mídia comemorava, repetia confiante, feliz, o que já havia feito seis, sete vezes antes de eliminações quase todas vexaminosas de seu queridinho na Libertadores. E de novo não deu outra. Gol do San Lorenzo no último minuto, gol de Casalbé pro Furacão no solo sagrado do Chile, e o Flamengo estava eliminado na fase de grupos do torneio pela terceira vez seguida, a quinta no total, recordista absoluto, entre os brasileiros, neste quesito.

Nisso o jornal com o mesmo nome da emissora suspeita de corrupção, sonegação e otras cositas más já tinha publicado o guia do Campeonato Brasileiro, iniciado havia menos de duas semanas. E além das previsões alvissareiras, de favoritismo absoluto para o seu queridinho, o guia do jornal falava também até em título e disputa lá em cima, mirando a Libertadores, pelo menos nos subtítulos das páginas destinadas ao Botafogo e ao Fluminense. Quanto ao Vasco, só se falava de briga contra nova queda, de dificuldades à vista, muitas, de rebaixamento.

Por si só histórica, tal edição do guia do jornal movido a passaralhos tem ainda uma sutil alteração em relação às de campeonatos anteriores, pero muy significativa. Como se sabe, pela milionésima vez a Justiça decidiu que um time que correu da decisão não pode ser declarado campeão só porque a imprensa diz isso. Depois de pleitear o título só pra ele esgotando todos os recursos, o queridinho da mídia perdeu o último recurso pra pleitear a divisão do título. A não ser que o clube peça agora à Justiça assim, na boa, pelo menos um terço do campeonato, só pra dizer por aí que é hexa, sabe cumé…, se isso não acontecer, acabou, finito.

Terminou a contenda na Justiça e sumiu, assim, o asterisco na lista de campeões nacionais publicada anualmente no guia. Não há mais a explicação em letra miúda, lá embaixo, sobre o motivo de num ano haver dois campeões assinalados, mas a lista continua com os dois campeões de sempre, o queridinho ainda hexa por birra, desejo irrefreável ou demagogia, e danem-se os fatos, a fuga do quadrangular final, a Justiça.

O asterisco agora aparece em outra lista, a dos campeões sulamericanos, ou da Libertadores, como prefere colocar a mídia em geral, inclusive o citado jornal, que se apega à nomenclatura diversa dos torneios (como se o Brasileirão já não tivesse sido João Havelange, Taça de Prata, Ouro, Copa Brasil ou Robertão) e à ordem alfabética pra manter o Flamengo acima do Vasco, cada qual com um título. E embaixo, ele, o asterisco, a avisar em letra pequenininha que o Vasco foi campeão dos campeões sulamericanos em 1948.

Em 1996, a Conmebol reconheceu oficialmente o campeonato sulamericano de 48 do Vasco e como mostra cabal de que o nível do título não ficava um milímetro abaixo da principal competição do continente (historicamente, como primeiro campeonato continental da história, 48 vale mais que qualquer Champions League da vida), incluiu o clube entre os participantes da Supercopa dos Campeões da Libertadores, um ano antes de o Vasco conquistar também a Taça e com ela o bicampeonato continental, sem ajuda do juiz e no ano do centenário.

O curioso é que, ao contrário do asterisco da lista dos campeões brasileiros, referente a 87, que sempre transformou o três do Flamengo em quatro, depois o quatro em cinco e por fim o cinco em seis, o asterisco de 48 não transforma o 1 do Vasco na lista de campeões continentais em 2. Imagina, botar o queridinho embaixo, o desavisado que fizesse isso certamente estaria sujeito a broncas do editor ou até quem sabe, já que por lá se manda tanta gente embora, a toda hora, a uma demissão, quiçá por justa causa.

Mas falávamos do guia, sobre o Vasco lutando só pra não ser rebaixado, e como mostra o texto anterior publicado aqui neste blog, as previsões sombrias do jornal começaram a se tornar furadas cedo, na primeira metade do primeiro turno do campeonato, com o time com aproveitamento de campeão em casa, arrecadando, enchendo São Januário homenageado na camisa, pelos seus noventa anos. Aí veio o jogo contra o queridinho da mídia e o atentado ao nosso caldeirão, com a mídia indignada, fazendo cara de raiva não pra quem incitou a violência nas redes sociais, com objetivos eleitoreiros, muito menos para o policial que postou nas mesmas redes a foto dele com a camisa do Flamengo, ao lado do vídeo dele se divertindo a valer no gramado de São Januário, deixando o pau comer solto e dando tiros a esmo no meio da arquibancada lotada.

A revolta dos apresentadores, editores, repórteres e comentaristas, as fisionomias sérias, pedindo punição severa, eram todas destinadas ao Vasco, ou na figura do presidente do clube, ou na de seu estádio, cuja segurança era questionada a cada parágrafo do noticiário. Mas mesmo com tudo isso, mesmo sem torcida, sem estádio, sem pênalti marcado o Vasco com Martin Silva no gol e Anderson Martins na zaga voltou a brigar pela vaga na Libertadores, estilhaçando de vez, já na primeira metade do returno, as bolas de cristal que só viam rebaixamento.

Os mesmos especialistas que previam antes pro Vasco a luta ferrenha contra a queda passaram a dizer que só com G9 o time chegaria a Libertadores, e alguns deles criticavam abertamente o excesso de vagas pra principal competição do continente, como se a Conmebol estivesse deixando entrar qualquer um. Um deles, ao vivo, citou por duas ou três vezes, no mínimo, na reta final e depois de terminado o campeonato, o aproveitamento de menos de 50% do Vasco como exemplo da tal banalização do torneio.

O Vasco tem menos de 50% de aproveitamento e está na Pré-Libertadores, dizia o especialista, e nas três ou quatro vezes em que disse isso o jornalista não lembrou que com aproveitamento idêntico, e isso somente graças a mais um pênalti estranho, no último minuto, aliás parecido com aquele cometido por Everton Ribeiro em São Januário, obviamente não marcado, com o mesmo número de pontos e de vitórias que o Vasco, o Flamengo não está na Pré-Libertadores, mas na fase de grupos.

Vice-campeão da Copa do Brasil profissional e da Copa do Brasil sub 20 no mesmo ano, o queridinho da mídia favorito a todos os títulos terminava o campeonato com a mesma pontuação do futuro virtual rebaixado, e os jogadores rubro-negros se abraçavam, comemorando efusivamente o pênalti caído do céu, estranho, muito estranho, que lhes garantia o sexto lugar e a calma necessária, diziam, pra vencer, enfim, pela primeira vez na história, uma final continental contra um grande clube estrangeiro. Só que não.

O Flamengo perdeu para o Independiente a decisão da Copa Sulamericana e se tornou o maior vice de copas secundárias da América, vice da Supercopa dos Campeões da Libertadores em 93 e 95, vice da Mercosul em 2001 e, agora, vice da Sulamericana, vice de todos os tipos de torneios secundários já inventados no continente, tetra vice, assim como na Copa do Brasil. E na noite da final, no entorno das modernas e semiabandonadas instalações do Novo Maracanã, o que se viu foi a barbárie, algo muito, mas muito além do caos orquestrado no velho e querido São Januário. Mais de oito mil invadindo o estádio sem ingresso, nas ruas idosos caindo, crianças chorando, atropelamento, saque, roubo e pancadaria generalizada, tudo ao mesmo tempo e na tevê os apresentadores, repórteres e comentaristas não pediam punição imediata, não, nem se mostravam indignados contra um clube específico, nem contra um dirigente, muito menos contra um estádio. Concordavam todos, isto sim, que aquelas cenas lamentáveis, envolvendo milhares de pessoas com a camisa de um mesmo time, eram um problema grave, mas de toda a sociedade.

Quanto ao Vasco, depois de prever rebaixamento e ver o time conquistar uma impensável, pra ela, vaga na Libertadores, a mídia não exaltou o feito conquistado com São Januário em sua melhor forma após a punição, abarrotado, feito extraordinário segundo os próprios prognósticos dela. Em vez disso tem preferido concentrar o noticiário sobre o clube na política, a mostrar o quanto será difícil, muito difícil a trajetória do time em torneio tão complicado, em meio ao imbróglio eleitoral que jamais poderia prosperar sem a ajuda providencial dela, a mídia.

E se existe mesmo alguém que sinceramente torça para o Vasco e não está feliz com o ano terminado, com essa campanha desde já histórica, por todos os obstáculos criados, por todas as previsões furadas, pelos pênaltis não marcados; se vascaínos de fato preferem seguir a pauta da mídia e acham que tá tudo errado com o time de volta à Libertadores com Martin Silva no gol, Breno e Anderson Martins na zaga, Paulinho prestes a estourar, já tendo decidido muito mais este ano do que a nova joia superfaturada da Gávea, e ainda Evander, Mateus Vital, Guilherme etc, com Nenê de maestro e cia; se tantos e tantos torcedores comentam nas redes, alguns até que não são fakes, preocupados mesmo em tirar o presidente pra botar no lugar o grupo político que deixou o clube insolvente, rebaixado duas vezes, fazendo dessa forma, direitinho, a vontade da mídia anti-vascaína; se há torcedores do Club de Regatas Vasco da Gama que querem o bem do time e ainda assim não perceberam o momento, a iminência de disputar a Libertadores com um bom técnico, uma boa equipe, e iniciando a caminhada, setenta anos depois da primeira conquista, no mesmo Chile; se esse tipo de torcedor prefere reclamar, acreditando na tal da mídia, então, com todo o respeito, só se pode chegar à conclusão de que este sincero vascaíno é um otário, e de otário pra bovino, só falta o mugido.

Fonte: pautaevasco.blogspot.com.br

10 Comentários ( Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. )

  1. O nosso CLUB de REGATAS VASCO da GAMA por ser o ÚNICO GENUÍNO, O LEGÍTIMO e o VERDADEIRO CLUBE POPULAR é perseguido por uma mal-disfarçada e recista ELITE DOMINANTE sempre pela mesma mídia populista e pelos profissionais que torcem pelo seu ¨Queridinho¨ de vermelho e preto!

    E para aqueles que são bovinos e gostam de serem vagão desta mídia esportiva monoclubista de vermelho e preto, bovinos sempre serão ouvindo o som do berrante vermelho e pra
    Eu sou VASCAÍNO OPERÁRIO, HUMILDE de MÃOS CALEJADAS que sempre se levanta cedo pra defender o meu pão de cada dia, me ORGULHO da CRUZ de MALTA DO meu PENDÃO, que TENS O NOME do HEROÍCO PORTUGUES , e de quem se ORGULHA do CALDEIRÃO do SÃO JANUÁRIO ou o GIGANTE da COLINA, e sou GRATO AO NOSSO ETERNO PRESIDENTE EURICO MIRANDA e quem DEFENDE PELA CONTINUIDADE da RECONSTRUÇÃO e a CONTINUAÇÃO dessa RECONSTRUÇÃO e que as vezes nos EXIGEM e somos OBRIGADOS A FAZERMOS SACRÍFICIOS, ter a PACIENCIA e a COLABORAÇÃO que o nosso GIGANTE da COLINA REQUER e NECESSITAM a MILENAR 我慢 戸 貴織億 ( GAMMAN to KYORIOKU) = A MILENAR PACIENCIA e a COLABORAÇÃO do SÁBIO, PACIENTE e DISCIPLINADO NAÇÃO NIPPONICO.

  2. O nosso CLUB de REGATAS VASCO da GAMA por ser o ÚNICO GENUÍNO, O LEGÍTIMO e o VERDADEIRO CLUBE POPULAR é perseguido por uma mal-disfarçada e recista ELITE DOMINANTE sempre pela mesma mídia populista e pelos profissionais que torcem pelo seu ¨Queridinho¨ de vermelho e preto!

    E para aqueles que são bovinos e gostam de serem vagão desta mídia esportiva monoclubista de vermelho e preto, bovinos sempre serão ouvindo o som do berrante vermelho e preto.
    Eu sou VASCAÍNO OPERÁRIO, HUMILDE de MÃOS CALEJADAS que sempre se levanta cedo pra defender o meu pão de cada dia, me ORGULHO da CRUZ de MALTA DO meu PENDÃO, que TENS O NOME do HEROÍCO PORTUGUES , e de quem se ORGULHA do CALDEIRÃO do SÃO JANUÁRIO ou o GIGANTE da COLINA, e sou GRATO AO NOSSO ETERNO PRESIDENTE EURICO MIRANDA e quem DEFENDE PELA CONTINUIDADE da RECONSTRUÇÃO e a CONTINUAÇÃO dessa RECONSTRUÇÃO e que as vezes nos EXIGEM e somos OBRIGADOS A FAZERMOS SACRÍFICIOS, ter a PACIENCIA e a COLABORAÇÃO que o nosso GIGANTE da COLINA REQUER e NECESSITAM a MILENAR 我慢 戸 貴織億 ( GAMMAN to KYORIOKU) = A MILENAR PACIENCIA e a COLABORAÇÃO do SÁBIO, PACIENTE e DISCIPLINADO NAÇÃO NIPPONICO.

  3. Perfeito. Simples assim. Perfeito, simples e direto. Sem nada a acrescentar ou retocar. Pra lavar a alma neste último domingo do ano. leitura prazerosa. Saudações Vascaínas.

  4. A mao do Jô foi muito mais que isso, talves os gambas sem esse ponto jogaria de forma seria contra os vermes. E com a possivel vitoria dos gambas nem Liberta os vermes teriam em 2018.

  5. Eu sou professor, e digo fazendo uma comparação sobre a visão da mídia em relação ao que aconteceu por causa da bagunça dos vândalos mulambos em torno do Maracanã: quando o desempenho de uma escola vai mal, e etc, a culpa é sempre jogada no magistério, ignorando a falta de interesse de muitos alunos. Se um aluno agride um professor- algo que vem ocorrendo muito no Brasil dos últimos tempos –
    o aluno nunca é o culpado, pois a sua violência pé culpa do meio, da sociedade e etc. Quando ocorreu a confusão em São Januário, o que se viu foi um ódio constante para com o Vasco, mas como tudo que envolve o Flamengo, se põe panos quentes. E recentemente, praticamente nada se falou da surra que os mulambos levaram no último recurso ao STF do título brasileiro de 1987. O Sport é o legítimo campeão de 1987, e a mídia mulamba, de forma criminosa, se cala.

  6. Eu sou professor, e digo fazendo uma comparação sobre a visão da mídia em relação ao que aconteceu por causa da bagunça dos vândalos mulambos em torno do Maracanã: quando o desempenho de uma escola vai mal, e etc, a culpa é sempre jogada no magistério, ignorando a falta de interesse de muitos alunos. Se um aluno agride um professor- algo que vem ocorrendo muito no Brasil dos últimos tempos –
    o aluno nunca é o culpado, pois a sua violência é culpa do meio, da sociedade e etc. Quando ocorreu a confusão em São Januário, o que se viu foi um ódio constante para com o Vasco, mas como tudo que envolve o Flamengo, se põe panos quentes. E recentemente, praticamente nada se falou da surra que os mulambos levaram no último recurso ao STF do título brasileiro de 1987. O Sport é o legítimo campeão de 1987, e a mídia mulamba, de forma criminosa, se cala.

  7. Deixa eu ver se entendi, Quer dizer que a mesma justiça que autorizou o uso da urna 7 na eleição , agora quer invalidar essa mesma urna por causa de falsas alegações ? Me poupe essa juíza !!!

  8. Reporter Sergio Guimaraes da Radio Tupi afirmou na programa Giro Esportivo dia 08/01 que uma boa parte da mídia quer o Eurico fora do Vasco. Daí as noticias de determinados segmentos serem só desfavoráveis ao clube. Temos de tomar muito cuidado com um possivel retorno do torniquete financeiro que assolou o clube em anos do passado. O objetivo destes é sufocar o Vasco por todos os lados para o clube não receber dinheiro de lugar nenhum. A ordem é tirar o Eurico do clube por causa da renovação de contrato que a Globo terá de fazer com os clubes em 2019. Tudo planejado , premeditado , urdido e orquestrado.
    Casaca!!!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.