Home Destaque

3

O mês de outubro não poderia ter começado melhor para o Vasco da Gama. Único grande clube do Rio de Janeiro a investir no Karatê, o Gigante da Colina abriu suas portas neste domingo (01/10) para a disputa de um torneio internacional do esporte. O “Open Internacional CRVG de Karatê” foi realizado no Ginásio Principal para mais de 400 atletas, com a participação de karatecas dos Estados Unidos, da Venezuela, da Guiné-Bissau e do Uruguai.

A competição movimentou a casa cruzmaltina durante todo o dia. Pela manhã, as lutas ficaram a cargo das categorias menores, compostas por karatecas com idade entre 06 e 12 anos. No turno da tarde, por sua vez, as disputas foram entre praticantes das categorias maiores, incluindo sênior e veterano. Os atletas duelaram entre si nas modalidades kata e kumite, com os três primeiros colocados avançando para a decisão do Estadual.

image
Esther, Letícia e Thamyrys: trio vascaíno no pódio no Infantil B da modalidade kumite 

Com bastante tradição no Karatê, o Vasco da Gama foi representado no Open Internacional por 36 competidores. Os karatecas cruzmaltinos fizeram bonito e mostraram que o trabalho de reconstrução da modalidade em São Januário vai indo de vento em popa. Na categoria “Infantil B” da modalidade kumite, Letícia Silva, Esther Albuquerque e Thamyres Costa conquistaram para o Almirante as medalhas de ouro, prata e bronze, respectivamente.

Letícia Silva e Esther Albuquerque fizeram a dobradinha também na modalidade kata da mesma categoria. Na ocasião, a primeira voltou a subir ao lugar mais alto do pódio, desbancando justamente a companheira de clube na grande final. Outro expressivo resultado foi obtido por Bruna da Silva Aquino. A jovem mostrou força ao derrotar a campeã brasileira Maria Eduarda e conquistar o ouro para o Vasco na categoria “Infantil A” da modalidade kata.

image
Bruna Aquino esbanjando sua técnica na final do “Infantil A” na modalidade kata

Também na categoria “Infantil A”, só que na modalidade kumite, Yuri Albuquerque desbancou todos os seus adversários para colocar o Gigante da Colina no topo. As comemorações vascaínas não pararam por aí. No decorrer da competição, o Almirante somou mais 40 medalhas, sendo 19 de ouro, 12 de prata e 9 de bronze, tornando-se assim o grande campeão do Open Internacional CRVG de Karatê.

image
Vasco brilhou na competição realizada em São Januário- Fotos: Paulo Fernandes/Vasco.com.br

Confira o clima do Ginásio Vasco da Gama durante o Open Internacional CRVG de Karatê:

 

 
Fonte: Site CRVG

26

 

O Vasco experimenta neste campeonato brasileiro toda a podridão que envolve o futebol brasileiro dentro de campo e em seus bastidores. Os fatos que ocorrem fora de campo contra o clube estão intimamente ligados aos prejuízos descarados acontecidos nos gramados.

São 24 rodadas de um campeonato sem pênaltis a favor, apesar de 7 infrações ignoradas pela arbitragem. São minimamente 5 pontos a menos na tabela por influência direta daqueles que são meros operários do que salta aos olhos.

O Vasco não tem pênaltis marcados que lhe favoreçam, o Vasco sofre punições que o impedem de jogar em casa, algo que não acontece com quem comete infrações similares, o Vasco tem validado contra si até gol de mão.

Engana-se, contudo, quem pensa que estes prejuízos começam e terminam nas partidas. Eles são fruto de pressões externas, tais quais aquelas exercidas pela Rede Globo e pelo Ministério Público contra a diretoria do Clube. Os que minimizam os claros prejuízos dentro de campo são os mesmos que requerem e apoiam o afastamento de toda a diretoria, usando como fato gerador outra escancarada armação, as bombas atiradas em campo na partida Vasco x Flamengo com o fim claro, também, de promover o circo que se viu na semana que passou.

As ações fora e dentro de campo contra o clube são as ferramentas de um movimento golpista indisfarçável às vésperas das eleições vascaínas. Há uma indecente cadeia de acontecimentos que indica os objetivos de quem está por trás disso.

A nossa luta não é somete contra adversarios. A nossa luta é contra “processos” explícitos desenvolvidos pelo golpismo, que usa seu poder sorrateiro para impedir que o clube tenha a comandá-lo alguém que enfrente quem o quer diminuir. 

Contudo, se eles pensam que bastará poder econômico, parcialidade nos meios de comunicação e prejuízos na bola costurados nos porões, estão enganados. Vocês vão perder. Como de praxe. Perdem há mais de 119 anos e vão continuar perdendo.

CASACA!

5

 

A Rede Globo fará nas próximas horas nova tentativa de estabelecer um vínculo umbilical entre a Diretoria do Vasco e uma torcida organizada específica, a Força Jovem. O objetivo é alimentar a absurda ação movida pelo Ministério Público pela destituição dos dirigentes do clube, pressionando o Juízo, que proferirá decisão após a apresentação da manifestação do Vasco no processo.

Desta vez, a Rede Globo utilizará imagens feitas no dia da convenção de lançamento da candidatura da chapa Reconstruindo o Vasco, que busca a reeleição de Eurico. Como se sabe, mais de 1500 pessoas se reuniram na Casa Trás os Montes e Alto Douro e em suas imediações. Por questões de capacidade do salão, muitos ficaram do lado de fora. A imprensa convencional reporta o acontecimento de desentendimento entre aqueles que não conseguiram entrar no evento. O que a Rede Globo pretende fazer é associar à diretoria do clube aqueles que se envolveram na confusão, vinculando estes a tal torcida organizada.

Em primeiro lugar, cabe lembrar que uma das medidas preliminares desta gestão foi acabar com todas as salas de torcidas que existiam em São Januário. Antes de completar o primeiro semestre desta gestão, o procedimento já estava concluído. Quem pretende agir em conluio, ou proteger, torcedores organizados jamais tomaria tal atitude.

Outra ação foi abolir a distribuição de ingressos gratuitos para torcedores organizados. O Vasco não cede ingresso a torcedor algum. Todos são cobrados. Quem pretende agir em conluio, ou proteger, torcedores organizados jamais tomaria tal atitude.

Também é saudável destacar que o único envolvimento desta diretoria diretamente com a Torcida Força Jovem foi a cessão do ginásio do clube para realização de uma eleição que, em tese, teve por objetivo pacificar o grupo. A supervisão desta eleição, bem como a negociação para a realização do pleito em São Januário, foram feitas pelo Grupamento Especial de Policiamento de Estádios – GEPE.

Em que pese o Vasco ter requerido a abertura de inquérito policial na 17ª DP a fim de colaborar com a apuração dos fatos ocorridos após o jogo Vasco x Flamengo, tal inquérito jamais recebeu do GEPE ou do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro a necessária contribuição ou consulta no sentido de fazer com que tivesse o desfecho desejado, identificação e punição dos responsáveis. Muito pelo contrário, tanto o MP quanto o GEPE não se mostram entusiasmados com a investigação referente àquele episódio, preferindo movimentar algo paralelo e com objetivo claro de criminalizar a diretoria do clube.

Especificamente em relação ao desentendimento entre torcedores acontecido após a realização da nossa convenção nos arredores da Casa Trás os Montes e Alto Douro, se por um lado a chapa Reconstruindo o Vasco repudia com veemência episódios de violência, que devem desaparecer não apenas do mundo dos esportes, mas da sociedade em geral, por outro está claro que as opções políticas são livres. Não há como escolher quem nos apóia. Ainda que isso fosse o desejável. Não há como negar o direito de ir e vir e o direito à livre manifestação.

O Vasco mantém com suas torcidas organizadas relação institucional. Sua diretoria ainda acredita na chance de recuperar a essência destes grupos, criados para a promoção de festas em jogos de futebol, não para serem o abrigo de marginalidade.

Desta forma, parece que esta nova matéria da Rede Globo será repleta de ilações requentadas e suposições vazias, mais uma vez. Contudo, como a ideia é manter até 7 de novembro a aura de vilania sobre a diretoria que tenta se reeleger, influenciando o judiciário, influenciando a opinião pública e influenciando o quadro associativo do clube, tudo indica que mais uma matéria falaciosa irá ao ar.

Portanto, vale recomendar atenção aos vascaínos para o movimento golpista que se desenvolve no já conhecido vale das sombras. Precisamos vencer o golpismo e a imposição de vontades de fora para dentro para que a vocação democrática do Vasco prevaleça. Estamos certos de que, se assim for, seguiremos reconstruindo o Vasco nos próximos três anos.

Chapa Reconstruindo o Vasco

18

 

Em função da altíssima adesão à chapa Reconstruindo o Vasco, foi necessário se buscar um local mais amplo.

A convenção de lançamento da candidatura à reeleição do Eurico passou para a Casa de Trás os Montes e Alto Douro, localizada na Rua Melo Matos, 15, Tijuca. Quinta, dia 14, 20 horas.

CASACA!

 

 

12
 
A informação prestada hoje pela jornalista Gabriela Moreira, da ESPN Brasil, no sentido de que o Vasco teria deixado de responder ao MPRJ no prazo fixado a determinados questionamentos do Ministério Público, referentes aos incidentes ocorridos após a partida Vasco x Flamengo, válida pelo Campeonato Brasileiro, é falsa. Conforme imagem abaixo, o Vasco foi intimado para manifestar-se em 10 dias úteis no dia 21 de julho de 2017, de modo que seu prazo terminaria ao fim do expediente de hoje.

Ao estranhar tal notícia, o clube procurou informações na Promotoria onde tramita o processo, a fim de identificar se ocorreu por parte dos servidores do Tribunal algum engano. Recebeu a resposta de que não houve sequer consulta por parte do mencionado veículo de comunicação quanto a este assunto.
Respeitando fonte e seu sigilo, como convém em democracias evoluídas, seria de bom tom que a jornalista e seu empregador se informassem qualificadamente em próximas oportunidades. Versões de coxia sobrepondo informações oficiais destroem reputações e credibilidade, o que denota falta de responsabilidade com o dever de informar, especialmente quando se verifica um certo padrão nas matérias do veículo em questão em relação ao Vasco. 
Diretoria do Club de Regatas Vasco da Gama
 

 

Tinha lá uns sete, oito anos de idade. O jogo era contra o Bangu em São Januário, o Vasco venceu por 4 x 1 e me chamou a atenção o Dimas.

Era o meu debut em jogos do Vasco no estádio.

Meu tio, Manuel Teixeira Frias, era daqueles que vivia no Vasco, buscava ajudar no que fosse possível, chegou a chefiar a delegação vascaína em uma partida do Expresso da Vitória no ano de 1949 contra o Mogi-Mirim, no centenário da cidade paulista, e me levava vez por outra para ver os jogos do Vasco em vários campos do Rio de Janeiro. Tivera dois filhos, mas nenhum deles, incrivelmente, torcia pelo Vasco. Um era Flamengo e outro Fluminense. Nunca entendi aquilo. Com isso, o grande companheiro dele nos jogos era eu mesmo.

Meu pai, David, trabalhava muito e ligava bem menos que o irmão. Era Vasco, mas sem tanto entusiasmo. Meu tio, não, vibrava. Uma vez largou a minha tia no hospital, após breve melhora no quadro clínico para ir ver o Vasco jogar. Aquilo causou uma indignação na família forte, mas eu não me metia. Filho único, ficava na expectativa de que meu tio me levasse num outro jogo do Vasco em breve.

A final de 1950, no Maracanã, contra o América eu vi nas cadeiras especiais, um luxo que era raríssimo para quem viu Brasil x México de geral e Brasil x Espanha na Copa do Mundo com grande dificuldade de enxergar algo, diante de um Maracanã abarrotado de gente. O jogo, meu filho falou outro dia, não foi em 1950 e sim em 1951, no mês de janeiro. Não me lembrava disso, mas me recordo de um português, tradicionalíssimo, torcendo para o … América! Fiquei chocado. Todos os portugueses que conhecia, inclusive os da minha família, eram Vasco. E o Vasco ganhou com dois gols do Ademir, o segundo recebendo um passe de Ipojucan.

Mas os tempos próximos ao Vasco estavam por acabar. Desde os seis anos de idade eu, na condição de coroinha da Igreja do Sacramento, pagava a mensalidade do meu colégio, São Bento, ajudando em missas daquela igreja e de outras do centro da cidade (chegava a trabalhar em cinco missas num dia e também nos fins de semana), mas quando o curso primário acabou precisei tomar uma decisão que me permitisse concentrar mais nos estudos.

Em março de 1951, com 11 anos de idade, fui parar no seminário São José, ali no Rio Comprido, que era pago não por mim nem por minha família, mas sim pelas Obras Sacerdotais. Não sabia se queria ser padre, mas tinha certeza de que não queria ver meus pais apenas duas horas por mês no local onde estudava, como ocorreu por anos, com a benesse dada de estar também com eles entre os dias 26 e 31 de dezembro, antes da virada do Ano Novo, ou ainda numa comemoração em família como um casamento, bodas de prata ou bodas de ouro, quando por um dia inteiro poderia estar em casa, da manhã até a noite. Tornei-me um adolescente distante de meu clube, um adulto mais longe ainda, após sair do seminário e ter de ganhar a vida, tendo perdido meu pai pouco mais de cinco anos depois e com a obrigação de sustentar a minha mãe.

Casei-me e tive meu primeiro filho no ano em que o Vasco saiu da fila e voltou a ganhar um Campeonato Carioca. Parecia um sinal. Mas minha relação com o clube ainda era fria. Queria meu filho vascaíno, já minha esposa, flamenguista, pretendia o contrário, mas nunca teve chance, a começar por ele mesmo.

Quando o Vasco foi Campeão Brasileiro em 1974, um ano após o nascimento da Claudia, minha filha, dei uma bandeirinha do Vasco ao Sérgio. Já bebê ele recebera uma flâmula do clube, campeão de 1970. De uma hora para outra, entre 1976, 1977 o garoto se apaixonou de forma avassaladora por futebol e queria ir ver um jogo do Vasco.
Estive para levá-lo num Vasco x Botafogo, num dia em que a família toda, primos, tios foram ao Maracanã, mas ele ficou. Quando chegamos todos e ele soube do resultado (1 x 1), queria saber do primo Marco Aurélio detalhes do jogo, como fora o gol de Dé, parecia que não pararia nunca de falar ou perguntar.

Na semana seguinte o Vasco não jogaria no Maracanã. Era Fla-Flu. Como tínhamos duas cadeiras perpétuas no estádio – compradas por mim no ano do nascimento dele – deixei que o Juvenil, funcionário meu na época, esse que ele cumprimenta no programa das segundas-feiras, o levasse para o estádio.

Fiquei com um certo receio dessa ida dele ao jogo, afinal não era do Vasco. Ele chegou falando da cor das camisas dos goleiros (coloridas num mundo normalmente preto e branco para ele quando aparecia um jogo na TV), mas fui informado que se animara mesmo com cachorro quente, pipoca e matte leão em copo de papelão (só saía espuma naquilo!).

O Vasco entrou num período difícil e foi parar na repescagem do campeonato brasileiro da época, bem diferente desse de hoje, quando partidas contra Goiânias e Mixtos não eram sinal de fácil vitória. Estava em busca de um jogo sem risco, mas todos, naquela fase vivida pelo time, eram arriscados. Como aquele Fla-Flu de meses antes havia terminado empatado queria que a primeira vitória no estádio que ele visse fosse do Vasco.

Na casa de minha mãe, ouvindo o radinho de pilha disse a ele que se o Vasco passasse pelo Mixto em São Januário (jogo que classificaria o time para a fase seguinte, segundo ele me informou em consulta recente), eu o levaria ao Maracanã para ver o Vasco. Dito e feito. Na semana seguinte, um sábado à tarde (também segundo ele), estávamos lá. O adversário era o CRB, de Alagoas (disso eu me lembro) e o Vasco venceu por 1 x 0 com muita pipoca, matte no copinho de papelão e cachorro quente comprados antes do início do jogo, intervalo, saída.

Saímos felizes do estádio e ele animado com o Roberto, que fizera o gol único do jogo. Mas na chegada ao setor das cadeiras o fiz passar por uma prova de fogo. Dessas coisas que não tem explicação.

Ao descer para comprar o primeiro cachorro quente ou matte, encontramos com o Ademir Menezes, artilheiro do Expresso, que fazia comentários em uma rádio da época e estava próximo ao setor da imprensa. Falei: “Ademir! “, virei para o Sérgio e disse: “Esse aqui, meu filho, é o Ademir”, enquanto o Ademir abria um leve sorriso.
Meu filho me olhou meio espantado e aí eu voltei com mais ênfase, porém também com certo cuidado: “O Ademir, meu filho. Aquele do time que o papai fala com você”. Como é mesmo? “Barbosa, Augusto, Wilson…”. E o Sérgio emendou: “Barbosa, Augusto Wilson (parecia um nome só, Augusto Wilson), Eli, Danilo e Jorge, Friaça (não saiu assim mas algo parecido), Maneca, Ipojucan, Ademir e Chico”. O Ademir olhou, deu um novo sorriso e os olhos marejaram um pouco. Disse depois a ele apenas: “Tchau Ademir. Um abraço”. E fui comprar o cachorro quente com o Sérgio, realizado. Com uma sensação de dever cumprido.

Em 1977 foram vários jogos com ele, vimos o Vasco ganhar a Taça Guanabara com uma vitória sobre o Botafogo e comecei a resolver de forma simples um problema que ocorria a cada jogo ocorrido à noite. Ele acordava ansioso para me perguntar se o Vasco havia ganho e sentia tensão até que soubesse do resultado. Adotei então uma tática eficaz. Punha abaixo do quadro que ficava em cima da caminha dele o resultado do jogo e quem havia feito os gols. Junto a isso uma mensagem, sempre de otimismo, fosse qual fosse o resultado. Ele já me encontrava no café da manhã perguntando tudo sobre o jogo e queria porque queria que o levasse a São Januário.

Aí tomei uma das atitudes mais acertadas da minha vida. Comprei um título de sócio patrimonial do Vasco. Na época o Jorge Salgado, irmão do Pedro, companheiro de mercado de capitais, me sugeriu comprar também um camarote no estádio, que dava lugar a quatro pessoas. Não tive dúvidas. E já pus o restante da família como dependentes meus.
O primeiro jogo que vimos foi um Vasco e Remo (segundo ele me diz, porque disso não me lembrava mesmo). Outra vitória do Vasco por 1 x 0, gol de Paulinho (mérito para a memória dele). Passara um ano inteirinho e ele não havia visto o Vasco perder no estádio uma única vez.

A primeira decepção ocorreu depois do carnaval, em 1978. Com um público que eu jamais vi igual em São Januário perdemos para o Londrina, uma espécie de zebra da época, e fomos eliminados do Campeonato Brasileiro do ano anterior (é, do ano anterior). Ele é imenso hoje, mas na época deu pena vê-lo querendo assistir o jogo, com tanta gente na frente. Viu pouco, mas também não perdeu nada.

No mesmo ano, 1977, conheci, num desses jogos, o Sr. Rui Proença, que se sentava no Maracanã duas fileiras à nossa frente e era talvez o vascaíno mais entusiasmado do setor. Ao seu lado o saudoso Ferreira, que também não faltava a um jogo. A amizade foi sendo feita ao longo dos anos, havia uma coincidência de uma loja da Casa Cruz ter existido em frente ao local onde meu pai trabalhava e pela nossa diferença de idade havia uma possibilidade de os dois terem se encontrado por diversas vezes naquela região, perto do Parque Royale, que pegou fogo uma vez e deixou meu pai sem emprego (na época da guerra, se não me engano), para desespero da minha mãe e o consolo dele próprio a ela dizendo que não se abatesse porque havia sido feita a vontade de Deus. Mas isso é outra história. História de velho.

O Sérgio ria muito com as comemorações do Sr. Rui, que fazia coisas que lhe proporcionariam uma bronca se repetisse, como subir na cadeira após um gol, sair subindo e descendo a escada ao lado das cadeiras, abrir o guarda-chuva e rodá-lo (em dias de chuva, claro), entre outras que ele relembra até hoje.

Como sempre votei no Eurico e o Sr. Rui sabia disso, ele passou a me convidar para frequentar algumas reuniões organizadas pelo clube ou por grupos nos quais estava Eurico. O Sérgio se lembra de irmos juntos a várias a partir de 1988, ano no qual fomos bicampeões e ficamos na lateral do gramado esperando o jogo acabar, após o gol do Cocada.

Acostumado a ir aos jogos o Sérgio também se encantava com tais reuniões, afinal eram todos vascaínos e só se falava de Vasco. As pessoas mais velhas contavam passagens marcantes do clube, como o 7 x 0 de 1931, o Expresso da Vitória, a construção de São Januário, e numa daquelas vezes vi o Chico, melhor ponta-esquerda da história do Vasco, sentado numa das mesas. Não tive dúvida. Levei o Sérgio para lá e fui puxando uns assuntos de uns jogos dele do passado. Eu me recordo até hoje de um jogo contra o Corínthians, em que ele fez um gol faltando um minuto, que deu ao Vasco uma importante vitória na época (dia de bodas de prata do meu Tio Manuel com a minha tia Aurora, ocasião na qual demos uma escapulida e fomos juntos ao Maracanã).

Os olhos do Chico brilhavam com meu filho falando o que já tinha lido sobre aquele time (mérito meu de incentivá-lo também, é claro), do Campeonato Sul-Americano de 1948, da Copa de 1950, dos títulos invictos. À certa altura os dois não paravam mais de falar. Lembro até que o Eurico passou por perto e disse apontando para o Chico: ”Esse tem muita história pra contar”. E tinha mesmo. O Sérgio contava detalhes de jogos na conversa com o Chico naquele dia, que eu vi no estádio e nem me lembrava mais.

No dia da eleição de 1991, tive uma surpresa. Meu nome estava na chapa do Conselho Deliberativo. O Sr. Rui Proença havia me indicado e mais uma vez quem mais vibrou foi o Sérgio.

No primeiro mandato dei a sorte de ser Tricampeão Carioca como conselheiro do clube e assim fui seguindo nos outros anos, mas minha maior alegria foi quando surgiu o nome do Sérgio na chapa do Eurico (presidente) em 2000. Ele ficou entusiasmadíssimo. Já havia trabalhado na eleição de 1997, digladiando verbalmente com a turma do MUV durante todo o período pré-eleitoral, que naquele triênio, começou muito antes de 1997 e no dia da eleição fez questão de chegar no clube às oito e meia da manhã para ajudar, segundo disse (na época não morava conosco).

Ele ficou do lado de um senhor que depois descobriu ser o Álvaro, irmão do Eurico, fazendo boca de urna, e criou seu bordão contra a fala da oposição da época que argumentava ser a permanência de Calçada e Eurico um continuísmo inaceitável no Vasco. “Eurico e Calçada, Calçada e Eurico: continuísmo de vitórias”. Com a chapa azul na mão repetia aos que passavam até cansar, ou quem sabe cansá-los. Deve ter mudado o dia inteiro uma meia dúzia de votos, se muito, mas saiu todo feliz, após a apuração e a confirmação da vitória da chapa azul. Meses antes, comigo internado na Beneficência Portuguesa, após uma intervenção cirúrgica que sofri, falava como um suposto douto sobre o perigo que o Vasco corria caso a chapa azul perdesse. Caso Eurico saísse do Vasco.

Um ano antes Eurico me proporcionou uma grande alegria pessoal: o reconhecimento do título sul-americano de 1948. Sempre votei na chapa em que ele estava, desde 1980, vi brigar muito pelo Vasco, ajudar na conquista de títulos, mas jamais imaginaria que conseguiria aquilo. Ao lado do Sérgio, lendo a notícia do reconhecimento me emocionei e ele também. Como diz meu filho: “Se ele não tivesse feito absolutamente nada pelo Vasco, aquilo ali já seria muito”.

Em 2002 fui agraciado com um título de Benemérito. Havia sofrido uma fratura na rótula do joelho, a cirurgia não deu certo e permaneci de molho. No dia da entrega do diploma meu filho me representou. Fiquei extremamente feliz com isso, imaginando a cena.

Vimos muitos títulos, tivemos alegrias, tristezas, mas nada se compara em termos de decepção no clube, fora das quatro linhas, a aquele absurdo que foi a reunião do Conselho Deliberativo, na qual se pôs o despreparado Roberto Dinamite como presidente (imaginem!), presidente do Vasco.

Não pude votar porque ainda não era conselheiro nato, o Sérgio votou no nosso saudoso Amadeu, mas aquilo mais parecia um circo já armado. Vi a desolação do meu filho com a derrota e fiquei pacientemente ouvindo seus vaticínios, infelizmente confirmados com o tempo. De fato, era constrangedor imaginar um clube como o Vasco sendo conduzido por Roberto Dinamite, que foi um grande artilheiro, diga-se de passagem.

Mas dali por diante o Sérgio entrou para o grupo Casaca!, dileto grupo, e quando soube ele já escrevia texto, falava na Rádio Bandeirantes e parecia circunspecto e objetivo na missão de pôr o Eurico de volta no clube. Falava da sujeira que fora feita com ele, com razão, e tinha certeza de que ele voltaria, cedo ou tarde.

Fico com a sensação de que Eurico voltou tarde. Foi muito tempo de Dinamite no Vasco, de MUV, como o Sérgio diz, de muita tristeza com o clube abandonado e ainda uma reeleição do próprio Roberto Dinamite.

Mas, finalmente, em 2014 fomos todos votar no Eurico. O Sérgio botou como sócios a esposa, a tia, prima, irmã (a minha filha Claudia), a mãe (minha mulher) flamenguista, o nosso porteiro, alguns amigos, empolgado com o ressurgimento do nosso bom Eurico no Vasco novamente.

Passaram-se dois anos, o Sérgio permanece irrequieto e com o assunto Vasco permeando nossas conversas, meu neto nasceu e fiz questão de com meu filho irmos ao Maracanã (eu após 13 anos ausente) para vermos a decisão contra o Botafogo este ano. Acabou o jogo, abracei meu filho e gritei: “Meu neto é Bicampeão. Bicampeão invicto”. Eu que vi com 8 e 10 anos o Vasco ser campeão invicto, que fui com o meu filho no estádio de São Januário no dia do título invicto de 1992 contra o Flamengo, desta vez senti algo diferente. Era o primeiro título do meu neto, que meu filho pôs como sócio proprietário do Vasco no mesmo dia ou no dia seguinte que nasceu.

Quase no fim de 2016 me chegam duas notícias de uma só vez: a de que seria agraciado com o título de Grande Benemérito do Vasco era uma e agradeço pela lembrança e pelo carinho para comigo. Mas a Grande notícia mesmo foi a indicação de meu filho para Benemérito do Vasco. Ele que me fez voltar a frequentar estádios, a lembrar de minha infância neles, enquanto o levava aos jogos, que no café da manhã queria detalhes dos mais diversos do jogo disputado pelo Vasco na noite anterior, que viveu comigo tantos momentos felizes, que acreditou no que poucos acreditavam, que escreveu um livro falando de Vasco e de quem considera seu maior emblema vivo (no que concordo), que ouviu, acreditou e pesquisou sobre as histórias que eu lhe contava, para recontá-las a mim com mais detalhes ainda, e que, tenho certeza, pode ajudar mais e muito mais o Vasco.

No livro que escreveu (já está em tempo de acabar com tanta pesquisa e lançar o próximo), uma grande homenagem fez a mim e resume, realmente, o seu sentimento em relação ao clube. Diz mais ou menos assim: “Meu pai não me fez apenas ser Vasco, mas sim me fez ter orgulho de ser Vasco”.

Orgulho é o que sinto. Por meu filho.

Saudações Vascaínas a todos!

Casaca!

Raymundo Frias

OBS: Muitas das histórias meu filho as reavivou para mim. Se quiserem mais detalhes, aí é com ele mesmo.

* Coluna publicada originalmente no dia 31 de dezembro de 2016.

 

9
 
O maior pedido da torcida cruzmaltina foi atendido! Na tarde desta quinta-feira (20/07), o Vasco da Gama acertou o retorno do zagueiro Anderson Martins, que estava atuando no futebol do Catar. Revelado pelo Vitória e com passagem pelo Corinthians, o jogador de 29 anos volta ao clube após seis anos. Em 2011, durante sua primeira passagem, o defensor foi um dos destaques na inédita conquista da Copa do Brasil.

Confira a ficha técnica de Anderson Martins, novo reforço do Vasco:

Nome completo: Anderson Vieira Martins
Apelido: Anderson Martins 
Data de Nascimento: 21/08/1987 (29 anos) 
Local de Nascimento: Fortaleza (CE) 
Altura: 1,84m 
Posição: Zagueiro 
 
Clubes: 
 
2006-2010- Vitória (BA) 
2011- VASCO DA GAMA
2011- 2014- Al-Jaish-CAT 
2014- Corinthians 
2015- 2016- Al-Gharafa-CAT 
2016- 2017- Umm Salal-CAT 
2017- VASCO DA GAMA
 
Títulos e prêmios individuais: 
Campeonato Baiano nos anos de 2007, 2008, 2009 e 2010
Copa do Nordeste de 2010
Copa do Brasil de 2011
Melhor zagueiro do Campeonato Baiano de 2009
Melhor jogador do Campeonato Baiano de 2009
Melho zagueiro do Campeonato Carioca de 2011
 
Fonte: Site Oficial do Vasco

Único clube grande do Rio de Janeiro a possuir uma Divisão de Atletismo, o Vasco segue honrando sua tradição no esporte. No final de semana, no Centro de Treinamento Deodoro, na Vila Militar, o Gigante da Colina se sagrou campeão dos Jogos Estudantis do Rio. O Cruzmaltino foi representado por alunos-atletas do Colégio Vasco da Gama.
 
A competição contou com a participação de 550 atletas, todos com idade entre 12 e 14 anos. Assim como esperado, a disputa foi bastante acirrada, pois todos os participantes tinham como meta garantir um lugar na equipe da Seleção Carioca, que disputará o Campeonato Nacional no mês de setembro, em Curitiba (PR).

Fabiane Gomes Soares, Kaick Oliveira de Aragão e Ryan Pontes Lourenço foram os destaques do Colégio Vasco da Gama nos Jogos Estudantis. Os talentosos e promissores jovens conquistaram o direito de representar o Estado do Rio de Janeiro na edição nacional. Os demais atletas que subiram ao pódio ainda aguardam.

 
image
Kaick Oliveira brilhou nos Jogos Estudantis
 
Fonte: Site Oficial

CASACA! NO RÁDIO

0
Ouça o programa Vasco Gigante que é transmitido às terças-feiras Ao Vivo a partir das 20:00 pela Metropolitana 1090AM. Segue a íntegra do 17/10/2017 com Sérgio...