Home Coluna do Torcedor

11

 

O título desta modesta coluna faz alusão à frase, ao mote do MUV transparente, honesto e crível: o sentimento não pode parar, mugiam aos quatro ventos, ao comando dos berrantes de sempre. Por si só, a frase já encerra a falsidade intrínseca ao sofisma açucarado. Sentimento não para. Ou existe, ou não existe. Passível de interrupção, todavia, é o simulacro de sentimento, o consciente falseamento de algo que pertence ao campo emocional, transbordante à mera delimitação lógica.

Passemos, postas as devidas conceituações, às considerações atinentes à irresponsabilidade veiculada no RJTV 2ª Edição de hoje, 08.12.2017. Vale lembrar que, ontem, completaram-se 76 anos do ataque a Pearl Harbor, naquele que ficou conhecido como o Dia da Infâmia, visto ter-se tratado de um ataque apartado da necessária declaração de guerra. Analogamente, a emissora que absolveu a si própria em recente caso de corrupção na FIFA, após extensa investigação sobre si mesma, promoveu o seu Dia da Infâmia contra o Vasco. Sem uma declaração aberta de guerra, apoiada somente na vergonhosa e covarde tática de guerrilha midiática, resolveu, novamente, exercitar suas autoconferidas atribuições – de investigação, acusação e julgamento – desta feita para condenar o Costas-Largas de sempre.

De início, fundamental se faz observar que a própria linha editorial adotada diferiu daquela que usualmente é empregada pela concessionária platinada. Na matéria em tela, o proclamado “esquema” e os “falsos” sócios não foram precedidos da palavra supostamente, ou do termo suspeitos (as), como de hábito se faz. A reportagem exibida encerra em si própria a investigação, a peça acusatória e a condenação. Direciona suas baterias ao presidente do Vasco, numa mixórdia que não resistiu às investigações de meia-dúzia de jovens que militam em redes sociais. O Tatá da Granja, suplente de vereador em Magé, já foi desmascarado. Confirmou por si próprio a falsidade de seu depoimento em Delegacia de Polícia e, a essa altura, deve estar a pôr ovos pela cloaca. Não pelo fato de ser sócio, tendo mensalidades pagas por terceiros, segundo asseverou ao RJTV. Mas sim por haver mentido à autoridade policial, motivo pelo qual foi apresentada queixa-crime contra o cidadão em questão. Desta forma, esperam-se as devidas providências do delegado a cargo do expediente.

Em relação aos demais personagens elencados na ópera-bufa da emissora investigada pelo FBI, de fato não merecem relevância alguma, pois quem captou o retorno de sócios ou mesmo pagou suas mensalidades não foi o clube, não foi o presidente. Além do mais, estes não prestaram falsos testemunhos às autoridades competentes. E fim de discussão! Mobilizar-se politicamente, captando o retorno de sócios e/ou regularizando-os estatutariamente é questão de foro íntimo e possibilidade financeira individual. É fenômeno comum, acontece de lado a lado, não encerrando questões que se lhe atribuam caráter de ilicitude. Eu mesmo associarei quatro pessoas ao menos, o que não fará de mim um criminoso. Pelo contrário, cumprirei meu papel de vascaíno e sócio, ajudando o clube financeiramente e, subsidiariamente, arregimentando pessoas cujos conceitos de Vasco se coadunam aos de Eurico Miranda, Casaca, aos fundadores do clube e aos meus. Política feita da maneira como deve ser, mediante a capacidade de mobilização. Simples assim.

Outro fator de extrema relevância e muito pouco citado – ou convenientemente editado – nessas matérias, deveria ser argumento basilar nessa estúpida pantomima criada pela oposição ao Vasco, sob os auspícios e conivência da grande mídia, sobretudo as Organizações Globo, não coincidentemente, a dona dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro. Trata-se do inquestionável fato de que o voto é secreto e a cabine de votação, inviolável. Portanto, torna-se inviável qualquer iniciativa em relação à compra de votos. Isto não passa de uma falácia maldosa, cujos objetivos restam claros a quem se dedica ao entendimento das coisas do Vasco.

Enfim, poderia gastar laudas e mais laudas apontando as inconsistências da reportagem sob encomenda, o que tornaria o texto ainda mais enfadonho. Contudo, importante é deixar aos vascaínos, sócios ou não, o devido contraponto. E mais: lançar questões que cada um de nós deve procurar responder, sob a égide do bom senso. A quem interessa a volta daqueles que rebaixaram a instituição em todos os aspectos possíveis? Após três anos de reconstrução institucional, patrimonial e esportiva – nas categorias principais ou de base, a quem pode interessar a volta do Vasco débil? Após a paciente e continua recuperação dos patamares econômicos dos direitos televisivos – ainda em curso e mediante muita luta, face ao contrato lesivo que foi assinado pelo MUV/Banana – a quem interessa a regressão ao status anterior? Após muito trabalho, dificuldades e poucos recursos o Vasco alcança, novamente, a principal competição do continente. A quem pode interessar o retorno aos tempos de calote a jogadores, fornecedores, funcionários e obrigações tributárias? Portanto, vascaínos, reflitam com cuidado. Precavenham-se contra reportagens açodadas e assentadas na lama do ressentimento.

Tenham em mente que, para essa gente, o ressentimento é histórico. Para eles, o ressentimento não pode parar.

Rafael Furtado

Sócio Proprietário

 

Números não mentem!

Esse é o slogan, certo?

Mas como todo slogan, ele não é perfeito, ainda mais quando usado sem a devida cautela.

Certo matemático de uma renomada universidade brasileira, claramente não usou do princípio da precaução num caso recente.

Um erro, que pode ser considerado até ingênuo, foi cometido.

Causado talvez pela ânsia de defender uma tese, talvez pela falta de conhecimento.

Independente do motivo, a coitada da matemática não precisava ser metida nessa confusão e ainda mais desse jeito.

Certa eleição apresentou seu resultado em diferentes urnas. Uma urna continha os votos de determinado período cronológico. As outras continham os demais votos distribuídos de maneira aleatória em relação a cronologia.

Pois bem, dito economista, formulou uma conclusão baseado no fato que a percentagem de votos observada na dita urna especial diverge enormemente da proporção observada nas outras urnas. Chegou-se a dizer que a probabilidade de isso ocorrer seria mais difícil do que ganhar na Mega-Sena.

Quem dera ganhar na Mega-Sena fosse fácil assim!

A verdade é que não se pode inferir matematicamente tal conclusão da comparação de amostras retiradas da mesma população, mas que foram selecionadas de maneiras distintas e sem conhecimento prévio sobre as suas respectivas distribuições de probabilidade. Pior ainda quando a amostra não aleatória, a urna em questão, tem como processo de seleção uma variável altamente correlacionada com a própria decisão de voto.

Deixa eu explicar o motivo disso tudo com um exemplo muito mais claro e próximo do cotidiano dos cariocas.

Suponha que alguém queira encontrar a proporção existente entre as etnias dos moradores da cidade do Rio de Janeiro.

Com esse intuito faz-se o seguinte experimento, cada pessoa moradora de cada bairro do Rio de Janeiro deve colocar na urna do seu bairro um voto que contém a cor da sua pele.

Sendo o número de votos grande o suficiente, ao fim da votação somando-se os votos de todas as urnas da cidade obteremos uma aproximação significativa da proporção de brancos, negros, amarelos, pardos e indígenas da população.

Até aí a estatística é perfeita.

Agora suponha que os moradores dos bairros do Leblon e da Gávea votaram em uma urna separada.

Você como um leitor inteligente já deve entender a que ponto quero chegar.

Os resultados dessa urna são claramente muito diferentes do resultado final. Mas porquê?

Será que todo o estudo sería inválido por causa dos resultados dessa urna?

Teríamos que anular os resultados dessa urna “manipulada” e contabilizar a etnia da população sem esses valores?

É verdade que é mais fácil ganhar na Mega-Sena do que o resultado dessa urna ser verdadeiro?

Que resposta você daria a todas essas perguntas?

Adoraria que ao menos a resposta à última pergunta fosse verdadeira, mas ficar rico da noite pro dia não é tão fácil assim como você já deve saber.

É claro, óbvio, evidente, manifesto que, como uma pessoa inteligente, a resposta que você deu a todas as perguntas acima foi um lindo e sonoro NÃO.

Mas por que os resultados tão diferentes da “urna da zona sul” fazem total sentido nesse caso?

É lógico! Simplesmente porque você está familiarizado com a relação existente entre o lugar de moradia das pessoas de maior poder aquisitivo do Rio de Janeiro e a sua etnia. Em termos estatísticos, essa urna não apresenta a mesma distribuição de probabilidades de votos que as urnas do resto da cidade.

A amostra da população contida nessa urna foi realizada de maneira discricionária através de um critério que apresenta alta correlação com o resultado do voto. Em outras palavras, existe uma alta correlação entre a etnia e o lugar de moradia no Rio de Janeiro, assim como existe entre a condição econômica de um país e o índice de aprovação do governo, ou sobre a inclinação política em um clube de futebol e a cronologia da associação.

Por esse exato motivo, o cálculo realizado pelo matemático é errado por princípio.

A probabilidade da urna em questão ter tamanha diferença de votos em relação às outras urnas pode ser até mesmo muito mais próxima de 100% do que da advogada probabilidade menor do que ganhar na Mega-Sena.

Isso ficou tão claro no exemplo de etnia descrito acima, como também deveria ser em uma análise isenta dos votos da eleição do clube em questão.

A verdade é uma só, é impossível calcular essa probabilidade sem conhecimento da distribuição de probabilidade entre a data de associação e a correspondente inclinação pelo voto em determinados candidatos do clube. Mais importante ainda, esse dado é impossível de ser auferido em eleições de voto secreto.

No fim, se a origem desse erro estatístico vem da falta de conhecimento, é lamentável que tenha sido propagado dessa maneira.

Se o erro foi cometido pela vontade de defender uma tese, é temerário perceber que tais resultados possam ser usados num processo legal sem o devido cuidado.

A única verdade nisso tudo é que o método usado e as conclusões obtidas sofreriam uma rejeição primária em qualquer processo de “peer review” de uma revista conceituada. Na verdade, as conclusões publicadas por veículos de informação de alta circulação justificariam até uma reprovação em cursos de estatística de nível universitário.

Mas voltando ao mais importante, não estou aqui para defender o Júlio, o Eurico, ou o Horta.

Só escrevi esse artigo para defender quem não tem culpa de nada e não pode se defender.

Coitada da Matemática ser difamada assim!

Renato Rodrigues

Currículo:

  • PhD in Electric Power Systems – Universidad Pontifícia Comillas (Madrid, Spain)
    (2010-today)
  • Master in Electric Power Systems – Universidad Pontifícia Comillas (Madrid, Spain)
    (2008-2010)
  • Master in Industrial Economics – Universidade Federal do Rio de Janeiro (RJ, Brasil)
    (2005-2007)
  • Graduated in economics – Universidade Federal do Rio de Janeiro (RJ, Brasil)
    (2000-2005)

 

 

Não canso de me surpreender com notícias que reportam movimentações na banda suíça da administração pública, aquela que vive num universo de bonança, sedes suntuosas, salários polpudos e que, talvez por excesso de zelo – ou absoluta falta de assunto premente – tem por hábito meter seu bedelho nas eleições do Vasco.

Estranhamente, somente na do Vasco.

Enquanto membro inconteste do respeitável público, com a devida vênia aos bambambans do cantão suíço da Justiça, pretendo tão somente compreender a atuação do tal Grupo de Atuação Especializada do Desporto e Defesa do Torcedor (Gaedest) do MP do Estado do Rio de Janeiro. Soube que os luminares-que-sabem-o que-é-melhor-para-a-sociedade solicitaram ao tal Juizado do Torcedor a suspensão das eleições do Club de Regatas Vasco da Gama. Note-se, uma entidade privada regida por um estatuto próprio, devidamente registrado nos cafundós da burocracia tupiniquim. Enfim, eles sabem o que é melhor para arraia-miúda. Ademais, a guilda dos doutores da lei também lá estará para proteger, magnanimamente, os interesses da plebe mais do que rude…

Assim sendo, creio que devamos ser muito agradecidos aos brâmanes alpinos de terra brasilis. Afinal, eles se dedicam ao Vasco, deixando de lado deveres de ofício cuja importância é, sobremaneira, inquestionável. Não há como não se sentir lisonjeado… Porquanto o grupo de atuação especializada, esquecendo-se de questões tais e quais o mau uso do chamado equipamento esportivo olímpico, do ex-Maracanã, do ex-Célio de Barros, dedica precioso tempo a questões de âmbito e interesse privados.

Certamente uma honraria dedicada ao nosso Vasco. Uma exclusividade. Claro, não se deve aqui faltar com a justiça, já que o texto aborda tão magnânimo conceito e faz loas a seus bastiões. Neste diapasão, cabe reservar à chamada oposição do Vasco a importante tarefa de motivar, dar azo àqueles que ora adentram o picadeiro, oferecendo verdadeiro espetáculo ao público incauto. Formam um conjunto e tanto!

No mais, resta-nos aguardar a manifestação do Juízo do Torcedor, outro braço de excelência na porção suíça da administração pública. Aguardemos, pois, o resultado da benevolente tutela que se impõe a uma instituição privada, instituição esta regulada mediante dispositivos estabelecidos em seu estatuto social, na forma da lei.

Aguardemos, pois, ansiosamente e com os olhos marejados de emoção – considerando-se que interrompem trabalhos de extrema relevância com o único intuito de engrandecer o nosso Vasco da Gama – o resultado da prestação jurisdicional que nos é concedida por aqueles-que-sabem-o que-é-melhor-para-a-sociedade. Descasos e desvios olímpicos podem esperar. O abandonado complexo do ex-Maracanã pode esperar. Punições a torcedores que não sejam os vascaínos também podem esperar.

Face ao acima exposto, temo que venhamos a ser acusados de receber tratamento privilegiado da casta indo-suiça dos brâmanes dos cantões da administração da justiça. Seria uma lástima para um clube que sempre representou o contraponto ao status quo, ao sistema e aos preconceitos. Temo que, no fim das contas, a culpa seja d’Ôrico…

Rafael Furtado, sócio proprietário.

1

 

Resolvi por assim intitular estas minhas elucubrações acerca da entrevista do postulante a presidente do Vasco em eleição próxima. Isto porque achei similaridade com o fato atinente ao comportamento canino e a mesma.

Por que cachorro corre atrás do próprio rabo?
Se você tem um cachorro de estimação, provavelmente já deve ter flagrado alguma cena do animalzinho correndo atrás do próprio rabo, em círculos. Mas você já parou para pensar qual a razão dessa atitude?
De acordo com veterinários e terapeutas de animais, há mais de uma justificativa para esse comportamento, algumas até preocupantes para a saúde do bicho. Uma das explicações, conforme os especialistas, seria a percepção de que correr em círculos desperta a atenção do dono. O cachorro pode transformar isso numa estratégia.

Também por tédio ou falta de estimulação ambiental, cães com forte instinto de caça podem canalizar essa necessidade não realizada “caçando o próprio rabo”, explicam.
Outra possibilidade é a tentativa de aliviar algum desconforto presente na região do ânus ou do rabo, como pulgas, dermatites ou inflamações da glândula paranal.
Acho que descarto esta possibilidade.

Pulando das afetações e sintomatologias dos pets ao nosso dia a dia. Dos caninos aos racionais (de eleitores ansiosos e postulantes ao cargo de supremo mandatário da nau vascaína):

Se o rapaz alvo da entrevista, que almeja presidir o Vasco, entende que o clube esteja na UTI, apesar de grandes e perceptíveis recuperações em vários níveis, patrimoniais, tributárias, etc, então estamos diante de alguém muito visionário, competente e porque não dizer ungido por certa magia que contempla pessoas pra lá de especiais, que militam num mundo e mercado mais que capitalistas.

De pessoas que conseguiram amealhar riquezas, poderio econômico, num mundo extremamente competitivo, desigual e de poucas oportunidades para tanto e tantos.

Claro que não me refiro aos que embolsam dinheiro alheio, fruto de corrupção e golpes. Nem a narcotraficantes ou traficantes de seja lá o que for. Também não falo daqueles que herdaram grandes fortunas para as quais trabalharam seus antecessores.

Me refiro aos que conseguiram sucesso fruto de seu próprio trabalho, seu suor, sua capacidade autoral.

Assim entendo, pelo que expõe, do que tão aparentemente com eloquência discorre, com a facilidade de quem dá um espirro mediante um quadro alérgico, que estamos diante de grande sumidade do mundo dos CEOs. Dos que ostentam esta sigla. Originada neste mundo moderno.

Percebo certos devaneios: morava na Europa, em Portugal, e via como se fazia isso e aquilo. Ouvia falar de grandes empresas, empreiteiras, e tal e coisa…
Mas, em qual delas participou de algo? Da magnitude daquelas empresas?

Moro aqui no Brasil e isto não me torna parceiro ou turbinador das maiores empreiteiras deste país.

Seria bom também, reforçando os discursos de sua campanha, que elencasse sua trajetória como gestor de uma delas ao menos. Foi CEO de qual grande empresa?
Atuou em qual área de qual clube? Ainda que tenha sido um Futebol Clube. O Vasco é bem mais que isso

Entendam: É a parte curricular de qualquer um que pleiteia um patamar qualquer. Um emprego de babá, de serviços gerais, de chefe de DP…
Um concorrente a um cargo de supremo mandatário de qualquer segmento que seja então, mais ainda carece mostrar seu currículo.

Como hoje não amanheci muito bem (acho que mudei um pouco minha rotina ontem à noite: não tomei minha sagrada dose de xarope de milho, ao qual intitulamos cerveja aqui nesta maracutaia de país, estimada em 473ml, pois adormeci antes de cumprida esta etapa), não entendi partes de suas declarações em tal entrevista:

1 – O Club de Regatas Vasco da Gama é olhado – por ele – apenas como um clube de futebol?

2 – Ele disse: “A deterioração do quadro do Vasco é crescente e forte a cada tempo que se passa. Esta semana saiu uma reportagem mostrando o valor de marca dos principais clubes do Brasil. O Vasco está em 10º lugar. Você vê os cinco primeiros clubes (Flamengo, Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Grêmio) e o Vasco fazia parte disso e vem caindo a cada ano.”

Ele acredita de fato nas pesquisas que rolam por aqui neste país?
Se sim, engana-se redondamente. Esqueça. Descandidate-se, porque lá na frente, se eleito for, perceberá que a coisa não funciona assim. Uma pesquisa verossímil? Honesta? Não se, principalmente, envolver o Vasco.
Pesquisa nenhuma, nunca, em tempo algum, funciona ou funcionará neste país.
Escolha um tópico, foi feita aqui? Por quem?
Algo que contemple e insira alguma supremacia do Vasco? Jamais.
Se ele não aprendeu isso ainda demonstra que precisa estudar mais.
Aprender mais do futebol que pretendem espanholizado.

3 – Ele disse: “Exatamente, as marcas hoje são os grandes ativos de qualquer empresa. Então, as marcas fortes atraem outras marcas. E aí surgem grandes projetos de parcerias, que viabilizam outros grandes projetos.”

Então por quê, exatamente, estas grandes marcas – clubes -, aliadas a outras grandes marcas – parceiros – são as maiores devedoras?
Principalmente as que aparecem em primeiro e segundo lugares?
Exatamente as que não têm e nunca tiveram um estádio próprio?
Que não se fale em Itaquerão! Pois ali tem ao menos um parafuso que foi custeado por mim sem que me perguntassem se eu queria ser parceiro daquele clube no financiamento daquele parafuso.
Se colocarmos o valor de sua construção, superfaturado sabidamente, acrescido ao valor da dívida fiscal, apenas, pois não sei as outras, daquele clube paulista, aí fudeu.

4 – “Então, a primeira coisa é se aprofundar em como estão as contas. A segunda coisa é refazer os processos de gestão do clube, para que o clube entre na normalidade o mais rápido possível. Ou seja, os departamentos precisam voltar a funcionar, como financeiro, controladoria, comunicação, suprimentos, logística, por ser uma empresa como qualquer outra. E precisa funcionar para que o esporte possa funcionar de forma tranquila, sem sobressaltos.”

No meu entendimento isto seria mais do mesmo. Se conseguisse manter como está atualmente.
Faz parte da retórica do candidato político desqualificar o oponente e seu mandato.
Sem maiores comentários.

5 – “Para quê eu vou contratar um jogador, pagar até R$ 120 mil em um jogador de mercado, que não faz tanta diferença no nosso modelo de jogar, se eu posso trazer gente da base, mesclar esses meninos da base e fazer com que eles aprendam, comecem a ganhar experiência com jogadores que de fato fazem a diferença, jogadores de qualidade.”

Aqui, sinceramente, entendi menos ainda – acho que nem foi a falta da minha dose habitual do xarope de milho (473ml) antes de dormir.
Vamos mesclar então quem com quem?
Quem seriam “jogadores que de fato fazem a diferença”?
Quanto ganhariam então? Mil, dez mil, vinte…?
De onde viriam?
Ou eles seriam da base, aprenderiam com os experientes(?) e por sua vez ficariam no clube, não sairiam, para dar continuidade no processo?
Ficou difícil pra mim, confesso.

Antes, disse: “…é preciso que os profissionais da base se falem e sejam remunerados, vivendo um contexto similar aos que vivem no profissional do clube. Então, essa integração é fundamental. E aí vem o que eu falei dos 33%.”

Quem trabalha na base do Vasco hoje trabalha de graça? Recebe um salário mínimo?

E complementou: “Aí sim a gente pode focar um pouco mais. Tendo mais recurso, a gente pode contratar melhor e fazer com que, esses jogadores da base, sejam expostos e joguem ao lado de jogadores de melhor qualidade. A tendência de você construir jogadores de mais qualidade, é muito maior.”
“Contratar melhor” não significa mais caro?
Se já se mesclou a base com os experientes, então para quê “contratar melhor”?

6 – Ele disse: “O Vasco sempre teve essa tradição de formar grandes jogadores, grandes ídolos. Precisa voltar a formar como foi no passado, essa é nossa história.”

Sempre pensei que isto fosse uma coisa aleatória. Fruto da casualidade. Do acaso. Da sorte aliada ao trabalho, claro. Afinal não se formam grande ídolos como se assam pães franceses no forno da padaria. Uma porrada numa fornada só. Uma após outra.
Mas há clubes que não pensem da mesma forma? Há quem não pense ou queira isto?

7 – Ele disse (aqui eu preciso pegar toda a resposta da tal entrevista): “Vamos começar a construção do centro de treinamento e a reforma de São Januário o mais rápido possível. É óbvio que a gente precisa fazer isso em fases, para não causar um problema no funcionamento do clube. Ou seja, primeiro a construção do centro de treinamento para transferir o trabalho que hoje é feito em São Januário e, depois, durante a reforma, por ter que parar o estádio, ter um espaço para treinar e outro para jogar. O Rio de Janeiro tem estádios como Maracanã e outros para jogar. Mas, a gente precisa de um lugar para treinar. Então, a gente precisa fazer um cronograma de trabalho para não causar sobressaltos no trabalho do profissional.”

Construir um CT para reformar São Januário – se tem um parceiro para a reforma de São Januário não teria um outro para construir um simples CT? Antes de partir para o “grande projeto!? Terrenos o clube já dispõe, embora outros pretendentes ao cargo nos tenha dificultado. Jogado contra para ser claro.
Não poderia também ser o mesmo parceiro? Afinal, parceiro tem que ser parceiro, não? Meio parceiro não é parceiro.
A reforma incluiria também o gramado ou iriam usar o mesmo para fazer a massa para o concreto? Canteiro de obras?

Se se considera o Maracanã como “opção de jogar” então o estádio – São Januário – não precisa de reforma. Não condeno a ideia, mas não a alcancei.

8 – Ele disse: “A gente quer entrar sendo campeões, a gente acha que é possível.”

Esta meta já foi batida em condições bem piores que as de hoje.
Afinal, carioca vale ou não vale? Vascaínos chegados a uma oposição por oposição dizem que não.

9 – Ele disse: “Já temos contatos com alguns clubes, identificando potenciais jogadores para encaixar nas posições que a gente entende que são necessárias para o clube, jogadores que virão e não viriam com a atual administração. Mas, em um projeto que tem Edmundo, Pedrinho e Felipe envolvidos, eles conhecem, admiram e são fãs desses caras também. Então, faz toda a diferença.”

Interessante isto. Entendo então que viriam por menos de 120.000. Experientes o necessário para ajudar na formação dos atletas oriundas de nossa base.
E que, neste caso também, caso não consigam receber do clube, em situações de atrasos, recorreriam aos parceiros Edmundo, Pedrinho, Felipe… para tal. Para um aporte para o clube.

Esta parte eu gostei.

Paulo Salles.

7

Finalmente vimos prevalecer as verdades de um mandato à frente de uma instituição, destruída por oportunistas e aventureiros, muitos deles movidos pelo ódio que hoje ainda alimenta uma retomada para o caos como na era Dinamite.

Os cruzmaltinos precisam enxergar as informações ocultadas por opositores e por grande parte da mídia e agir em defesa não da figura do atual Presidente, mas do Club de Regatas Vasco da Gama.

Sou muito grato e vou continuar sendo àquele que considero o mais vitorioso dirigente da história do futebol brasileiro. Ele que há anos conhece cada espaço do clube e melhor representa a concepção de grandeza que faz parte de nossa história.

Os números comprovam como Vice-Presidente de Futebol e Presidente o aqui dito, afinal são 52 títulos conquistados e mais um reconhecido (Campeão dos Campeões Sul-Americanos de 1948), o que comparado à toda nossa história de 119 anos equivale a 42% dos nossos títulos no futebol profissional (123).

Na década de 80 o Vasco, pela forma Eurico Miranda de ser na administração no futebol, passou de coadjuvante a protagonista, com três títulos conquistados nos primeiros quatro anos de trabalho.

Na década de 90 essa crescente teve resultados fabulosos e inquestionáveis.

No início do século XXI o clube suportou o ápice da inveja, até a covardia do golpe (2008) que culminou em nosso rebaixamento inédito, que para muitos pareceu até proposital, diante de uma realidade na qual o clube foi assumido em nono lugar na competição, após oito rodadas, com salários em dia, valores a receber em curtíssimo prazo por venda de atletas e mecanismo de solidariedade, mais de 45 dias para busca de novos reforços, sem penhora em rendas de bilheteria e outros valores a receber, omitidos pela gestão que assumia.

E o que fizeram? Contratação de nove atletas, sem condições físicas ou técnicas de atuar a contento, promessas de grande entrada de capital, com filas de investidores no ralo, choramingos e justificativas falaciosas para a queda institucional gritante vista, desde então. Alguma semelhança com aquilo que se diz oposição hoje e pretende reassumir o clube, com outras cores, camuflando-se, não é mera coincidência.

Foram seis anos vivendo o Vasco nas sombras, diante de uma lamentável administração, que em 2014 deixou o clube em ruínas, financeira, patrimonial e moral.

Os vascaínos aclamaram a volta do dirigente mais vitorioso da história do clube e nas urnas o resultado foi superior ao somatório de votos das demais chapas concorrentes.

Tarefa impossível para muitos seria reconstruir uma instituição devastada.

Em seus três anos de mandato foi provado o contrário para desespero de rivais e opositores.

As centenas de dívidas adquiridas pela gestão antecessora começaram a ser equacionadas.

Os salários jogadores e funcionários colocados foram mantidos em dia, com todas as dificuldades encontradas mês após mês.

O patrimônio foi restaurado e ampliado, vide obras: novo ginásio (com ajuda de parte do custo, oriunda dos torcedores), parque aquático, campo anexo, colégio Vasco da Gama, pousada do Almirante, Caprres profissional e base (maior centro prevenção e reabilitação da América Latina), Caprres nutrição, impermeabilização das marquises, reformas no setor dos visitantes, vestiários, banheiros, muro, outras benfeitorias não só na área social, como em vários outros pontos do complexo de São Januário, retirada de 20 toneladas de lixo (simbólico) deixadas pelos que lá estavam ente 01/07/2008 e 02/12/2014, além de outras obras nas demais sedes e ótimas iniciativas de marketing, dando como exemplo as mais recentes: exposição de camisas históricas e visita guiada, finalmente possível após a reabertura do Parque Aquático este ano.

Como Eurico Miranda, com centenas de dívidas multiplicadas pela administração anterior, com o patrocínio máster da Caixa Econômica Federal praticamente inviabilizado de ser renovado pela falta de contrapartidas do clube na parte que lhe cabia no cumprimento do contrato firmado e falta ainda de certidões, com a receita de TV comprometida, salários atrasados de atletas e demais funcionários, com várias cobranças na FIFA, inúmeros títulos protestados, 100 milhões de dívida de curto prazo, dezenas de confissões de dívida assinadas nos estertores da gestão MUV, e ainda enfrentando problemas de saúde e crucificado pela imprensa, por boa parte de torcedores desinformados e sabotado por alguns opositores conseguiu fazer essa mágica!?!? O segredo revelado: competência, respeito e amor ao Vasco da Gama!

No futebol, todo o trabalho de estrutura gerou resultados excepcionais de fortalecimento e aproveitamento da nossa base, diversas conquistas recentes nos juniores (em 2015 nos juvenis), além de títulos em outras categorias, enquanto nos gramados testemunhamos com orgulho o time profissional, após 12 anos de jejum, conquistar o título carioca 2015 e no ano seguinte comemorar o Hexa Campeonato Estadual Invicto.

Entre 2015 e 2016 mais um recorde histórico: 34 jogos oficiais de invencibilidade, a maior sequência de toda a nossa história neste quesito.

O vascaíno retomava o seu orgulho, principalmente no retrospecto de confrontos, incomodando o arqui-rival nos últimos 3 anos. Não só ele, mas também Fluminense e Botafogo voltaram à freguesia incorrigível, considerando o Vasco comandado por Eurico Miranda, enquanto Vice-Presidente de Futebol, Administrativo ou Presidente do clube.

Mas essa tarefa nesse mundo da bola todos sabiam que não seria fácil. Amargamos um rebaixamento, mas com a cabeça erguida pelo esforço da diretoria, jogadores e comissão técnica, que não puderam evitar a força do apito, o qual nos tirou preciosos (e muitos) pontos, prejudicando inequivocamente o clube na competição. Foram ao todo 14 pontos tirados do Vasco pelas arbitragens, três deles no turno, 11 no returno. Apenas três nos bastariam para que não caíssemos de divisão e sem os 14 pontos de prejuízo, terminaríamos a competição entre os oito melhores do Brasil, como assim terminamos na Copa do Brasil daquele ano. O sistema todos sabem como funciona: invariavelmente contra o Vasco e favorecendo aquele outro já conhecido…

Porém, no ano seguinte, o clube cumpriu seu papel em campo, disputando a Série B retornando à elite, ao contrário de rivais cariocas ajudados por mudanças de regulamento, coincidências inacreditáveis (até para o Ministério Público) e viradas de mesa em anos anteriores.

Começa o Brasileiro deste ano e a maioria esmagadora dos “entendidos em futebol” davam o time vascaíno rebaixado ou brigando para não cair e hoje brigamos, de fato, por uma vaga na maior competição das Américas, mesmo com enormes prejuízos de arbitragem (novamente), que já nos tiraram cinco pontos na atual competição, bem como foram responsáveis pelo gol que fez a diferença para sermos eliminados da Copa do Brasil de 2017, sem esquecer que também foi o apito o responsável pela nossa queda nas oitavas-de-final contra o Santos no ano passado.

Falando também em outros esportes, a tradição no basquete voltou após 13 anos com a conquista da Liga Ouro e acesso ao NBB, sendo hoje o clube considerado como um dos favoritos ao título da temporada 2017/2018.

A diretoria pretende investir mais no Remo, Natação, entre outros, bem como manter a responsabilidade administrativa e financeira do clube e com seu patrimônio, sua base, chegando a investimentos no futebol, mas com estrutura e visão futura, afinal em termos de receita 2017 mostrará um aumento significativo se comparado ao ano passado, vide melhora em valores do contrato com a CEF, maior retorno de mídia, aumento do número de sócios torcedores, venda de atletas, início dos patrocínios pontuais, novo contrato a ser firmado para fornecimento de material esportivo, novas verbas da CBC para o clube (foram mais de 5 milhões de reais repassados ao Vasco, durante essa administração, contra zero da administração anterior), bem como outra parte das luvas referentes ao contrato assinado com a TV em 2016, não contabilizados no balanço de 2016.

Diante disso tudo, venho pedir ao associado o seu voto na única chapa que pode impulsionar o Gigante, seja com amplo apoio ou contra tudo e contra todos, se necessário for, para vencer as dificuldades e fortalecer mais e mais nossa história vitoriosa.

O apoio dos vascaínos comprometidos com a reconstrução do clube é nosso tijolo. Os votos dos associados confiando no trabalho de reeleição da atual diretoria é nosso cimento. A caminhada do nosso futebol, antes desacreditado, rumo à uma possível Libertadores é nossa massa. A vitória de Eurico Miranda em novembro nas urnas é o começo da nossa pintura e assim vamos arrumando a nossa casa e nos preparando para novas conquistas em terra e mar.

Contas Pagas! Eurico Miranda Presidente!

Leandro Brandão

Sócio Benfeitor Remido e Conselheiro do Club de Regatas Vasco da Gama

 

Por Bruno de Luna

O futebol caminhando bem, clube sendo reestruturado e uma misteriosa e obscura revolta da torcida, em São Januário, após o clássico contra a mulambada em conjunto com uma atuação pra lá de desastrosa da PM, que teve como consequência uma punição em tempo recorde contra o Vasco, com interdição de São Januário e perda de mandos de campo.

Resultado, Vasco sente a perda de seu estádio e acumula resultados negativos dentro de campo.

A diretoria trabalha, troca de técnico, mostra aos torcedores e à mídia que o desespero contra o rebaixamento era exagerado e, com apenas duas vitórias (Flu e Grêmio), retorna à parte de cima da tabela, chegando a ficar momentaneamente em sexto lugar.

Aí o que acontece? O MP resolve desengavetar o problema do clássico contra o Flamengo, numa clara tentativa de desequilibrar novamente o andamento do futebol na colina.

E se fizer um levantamento histórico, com certeza aparecerão dezenas de coincidências do tipo!

“Todos contra ele”

 

Por Peter Arez

 

O #ForaEurico virou moda!

Tem gente que levanta a bunda da cadeira, vai pro estádio, grita #ForaEurico e nem sabe porquê!

Grita porque o amigo do lado tá gritando, grita pra ver se consegue agradar a mulher bonita que tá perto e tentar alguma coisa com ela, grita porque é a moda do momento e a pessoa não quer ficar pra trás! Pode confirmar: de cada 10 pessoas que são contra o Eurico, no mínimo 8 não sabem explicar porquê!

As páginas do Vasco, até as páginas de humor e de zoeira, lançam a hashtag #ForaEurico no intuito de ganhar curtidas! Criam eventos dos mais pitorescos pra ganhar seguidores! Não vejo outro motivo, a não ser esse!

O #ForaEurico virou moda!

Experimenta chegar perto de 10 cabeças e dizer que gosta do Eurico e apoia a atual gestão do Vasco. Veja o que vai acontecer com você! No mínimo, vão te olhar torto, te rotular de euriquete, dizer que você é flamenguista… Isso se não chegarem ao ponto de te ameaçar de morte e, porque não, concretizar a ameaça e te matar!

Mas, se você chegar nessas mesmas 10 cabeças e dizer #ForaEurico, o mundo se abre pra você! Você fica bem no meio dos amigos, as “minas mais gostosas” vão te olhar diferente e você vai conseguir ficar com elas, você estará dentro do grupo!

O #ForaEurico virou moda! E quem discordar, é bovino!

Saudações Vascaínas! /+/

“Penso que o ódio é um sentimento que só pode existir na ausência da inteligência..”
Tennessee Williams

Venho com muita tristeza acompanhando o fim do futebol como esporte de arte e jogadas geniais, o fim dos craques e o fim dos torcedores verdadeiros, aqueles que realmente colocavam o seu clube acima de tudo, acima de qualquer pessoa, na sua defesa intransigente da sua paixão.

Hoje tudo é profissional, até as torcidas organizadas possuem CNPJ, possuem sites, vendem produtos com a marca do clube, se beneficiam dele.

Particularmente sobre a torcida do meu clube, estou muito decepcionado, confesso, até envergonhado.

Eu que rolei na porrada nas ladeiras da Quinta chegando a cair no Lago em defesa da minha tese que Roberto era melhor que Zico, que Fio era merda perto de Valfrido, que torcia por um clube que mal vencia campeonatos, mas que ainda assim o defendia e não ADMITIA QUE NINGUÉM o colocasse abaixo daquilo que eu imaginava.

Foram muitas suspensões no Gonçalves Dias e depois Gaspar Viana (Hoje Nilo Peçanha) por brigar pelo Vasco. Por que decepcionado e envergonhado?

Desde guri presenciei torcedores do Vasco sendo sacaneados… time de português, manchetes de jornais tiravam sarros (até hoje) de qualquer derrota e nunca, NUNCA ninguém a contestar.

Éramos alguns guris, alguns rapazes isoladamente a defender sua paixão.

Éramos orgulhosos da nossa instituição, afinal, mesmo que não divulgado pela mídia, sabíamos sermos Campeões Sul-americanos, e fomos o primeiro do Rio a conquistar o Brasil e, marcas que sempre alcançamos que registram definitivamente as glórias do Vasco, CAMPEÃO DE TERRA E MAR NO ANO DO TRI. Eu lia isso com orgulho num velho ônibus Mercedes que possuíamos.

E tínhamos ainda SJ, apesar de praticamente fechado à jogos, mas com histórias inenarráveis de glórias esportivas, políticas e sociais.

Nossa torcida era discernida, era informada por aqueles que viram a história ser escrita, era a torcida consciente da verdade, da sua grandeza, da sua história.

de-e-as-placas-comemorativas-dos-titulos-de-1970-e-1974

No final dos anos 70, a balança começou a pender para um certo lado. Para um lado obscuro, um lado que até então nada de significativo havia ganho, salvo apenas uns “carioquinhas”, muitos com erros graves de arbitragens, outros com jogos em que sentavam em campo para minimizarem placares adversários.

Foi criada nessa época uma tal FAF, liderada por um expoente da comunicação televisiva (adivinhem?), um publicitário monopolizador das notícias e “reclames” divulgados antes das seções de cinema e de um gaiato, dono de cartório, que foi o marionete do Sistema que nos dias de hoje vão conseguindo seus intuitos, muito com a ajuda da NOSSA TORCIDA, isso mesmo, vascaínos, DA NOSSA PRÓPRIA TORCIDA.

Criada a FAF, em dois anos eles foram tri campeões ( 2= tri, assim como 5 = hexa ) e iniciou-se a maior série histórica de títulos que eles tanto se orgulham mas que, injustamente, negam reconhecimento ao principal artífice das vitórias nas quatro linhas, um jogador que sempre atuava de preto, as vezes de amarelo (que coincidência!) e carinhosamente chamado pela mídia de Zé, que mais tarde recebeu um emprego por serviços prestados ao Sistema e ao clube. Nascia a FAF, nascia o contra ponto, nascia o antídoto: EURICO MIRANDA.

Era apenas um assessor, mas o pé na porta da elitista FCF, já sendo transformada em FFERJ mostrou aos cartolas da zona sul que a brisa da beira mar se transformaria num furacão. A FAF conseguia seu projeto inicial, sua saída da administração do clube permitiu vitórias (?) a eles que não se repetiriam nos anos seguintes com a volta do antídoto, amargando dois tri vices campeonatos, e a mídia, o sistema e demais inimigos do Vasco viram uma LOCOMOTIVA invadir os ambientes outrora dominados por almofadinhas.

Foram mais de 20 anos de vitórias expressivas do Vasco, sem ajuda de árbitros, sem macetes em tabelas, apenas mostrando ao seu próprio torcedor que o clube não era o vasquinho, era VASCO DA GAMA (“-Não fiz o Vasco grande, apenas lembrei a ele o quanto era.”).

Um fantástico aporte financeiro, títulos e mais títulos.

Na mesma época, um movimento interno do clube, movidos pela inveja, articulava uma forma de evitar que um nome fosse definitivamente lapidado na história do clube, tal qual Ciro Aranha e José Prestes, homens que peitaram o sistema e em cujas épocas, somadas a de Eurico Miranda, somam os momentos de maiores glórias e conquistas esportivas, sociais e patrimoniais da Instituição Vasco da Gama. Era a inveja nascendo, que mais tarde se transformaria em ódio.

Ao mesmo tempo (coincidência?) o Sistema comprava todos os direitos televisivos de futebol do país e regionalmente fundava um jornal cuja capa já mostrava a cara rubro-negra, cujo editor chefe era um ex setorista do clube pego numa situação, digamos, constrangedora que o faz carregar a fama até os dias de hoje como o “Homem do Caramanchão”, isso dito pelos próprios colegas de imprensa.

Era um jornaleco de meia tigela, mas cujas manchetes enaltecendo as parcas vitórias e denegrindo as nossas, ganhava popularidade.

Mas era em vão. A Locomotiva não saía do trilho. Pouco antes um forra de gaiola, parceiro ferrenho do grupelho nascido pela inveja e transformado em ódio. Além deles vieram mais dois, cujos conteúdos pouco tinha para se ler. Eram mais imagens, pois sabemos que o grau de instrução de lá era bem próximo do zero, e desenhar era preciso.

Veio aquele fatídico jogo do São Caetano, uma luta titânica do clube (leia-se ELE) x sistema e nessa hora, os oportunistas se fizeram presentes. Se juntaram aos inimigos do clube, lutaram contra o mérito de um título cristalino conquistado em campo, deram apoio aqueles que sempre nos denegriram.

A decepção está aí.

A outrora discernida torcida do Vasco mostrou-se tão ignorante quanto a deles, acreditou no que ouviu, rejeitou o que viu, renegou o reconhecimento conquistado em campo e passaram juntos a compor um mosaico de horror, cujas vitórias são meras obrigações ou sem valor e que qualquer infortúnio é vergonha, humilhação.

Da mídia, nada a esperar, isso é antigo, lá no passado um certo radialista era obrigado a transmitir jogo sobre um telhado de galinheiro em dia de chuva, pois suas chacotas ao clube fizeram com que fosse IMPEDIDO de entrar em NOSSO ESTÁDIO.

Mas da nossa “TORCIDA”? Inadmissível ! Como pode um vascaíno torcer contra o seu clube? Como pode um vascaíno nos comparar a um time com conquistas holográficas, com torcida virtual, um clube que tem na sua história frases como ROUBADO É MAIS GOSTOSO ou como dito pelo tal radialista da década de 40, “GANHAR DO VASCO É ÓTIMO, MAS GANHAR ROUBADO É MELHOR AINDA”? Como pode, como eles foram levados a isso? Foi a mídia e sua massificação que fez nossa torcida ter síndrome de cachorro largado?

Não, amigos, quem fez isso foram os PRÓPRIOS VASCAÍNOS que em redes sociais, nas esquinas, nos bares e nos próprios jogos depreciam sua instituição, suas conquistas esportivas, seus ganhos patrimoniais.

Estão ajudando o clube? Estão a serviços de grupos políticos? Não, estão a favor do sistema. Esse ambiente criado por esse grupo de torcedores, que acredito serem profissionais políticos e de arquibancadas “apolíticas” traz ao clube médias de público inferiores a times de torcida e conquistas insignificantes, impedem e boicotam programas de sócios que visam capitalizar o clube, reclamam de qualquer aporte feito no clube, seja por patrocínios ou abnegados sócios ou diretores.

Virão alguns aqui falar que o grupo CASACA são euriquetes, que torcem por Eurico e não pelo Vasco. Evidentemente que não são, mas e daí que fossem? Estariam errados em defender quem defende o clube? Onde estavam esses que hoje odeiam o clube ao ponto de o boicotarem e persegui-lo quando o Vasco (leia-se ELE, quem o defendia) estava sendo atacados por todas as instituições investigativas do país, inclusive a mídia?

Estavam do lado de lá, do lado de quem queria um freio daquela instituição única capaz de parar o sistema. Levavam documentos do clube à PF, MP… mentindo, caluniando. No final a verdade prevaleceu, mas e o clube? Quem ganhou com o denegrimento de sua imagem?

O grupo Casaca! atacou veementemente a administração passada. Estavam errados? Mostravam erros, alguns por ignorâncias, outros visivelmente deliberados, que resultaram num aumento de 400 milhões em dívidas em seis anos, dívidas essas que inviabilizam a montagem de times competitivos que tanto cobram nos dias de hoje. Estavam errados em mostrar o que estava por vir?

ari-barroso

Fiz meus filhos vascaínos, fiz outras crianças amarem o Vasco e gostaria muito que meus netos fossem Vasco, mas esses tipo de torcedor está acabando com a base de todo clube, com o esquecimento e diminuição da sua história e a sua própria torcida, que é consequência dessas conquistas.

Uma vez esquecidas, depreciadas, não há do que se orgulhar, não há do que se lembrar, não haverá mais histórias para contar aos “corações infantis da nossa imortalidade”. A futura geração será abduzida pelos interesses financeiros, por conquistas efêmeras, a paixão verdadeira, incondicional, morrerá.

Queria ter sido menos longo… Impossível quando se fala de Vasco, a grandeza é natural.

Deixo aqui um apelo a toda essa raça, digo assim mesmo RAÇA, de raça rubro negra, que por ódio a uma pessoa que se estende agora a um grupo de abnegados que se expõem em defesa da instituição e do modo Vasco de pensar de Eurico Miranda, do Vasco forte, cimeiro, que por esse ódio vem a cada dia diminuindo o clube, suas vitórias, seus atletas e patrimônio: SEJAM VASCO PORRA!!!!! VOLTEM A DISCERNIR, PENSEM VASCO COMO NOSSOS ANTEPASSADOS PENSAVAM, LEMBREM-SE DE COMO SE TORNARAM VASCO!

Não quero mais ser obrigado a “dizer” que “Bovino é pior que molambo”, tenham certeza, dói mais em mim que naqueles que tento atingir numa forma de acordarem para a realidade.

O Vasco esteve em coma, hoje respira, a recuperação virá, se não querem ajudar, não atrapalhem!

A mídia que hoje orienta nossa torcida, é a mesma que inflama a mulambada a invadir um aeroporto.

Discernimento

substantivo masculino

1. capacidade de compreender situações, de separar o certo do errado.
2. capacidade de avaliar as coisas com bom senso e clareza; juízo, tino.

Saudações Vascaínas, verdadeiramente Vascaínas!

O medo é o caminho para o lado negro. O medo leva à raiva, a raiva leva ao ódio, o ódio leva ao sofrimento.
Yoda

José Paz Oliveira – Sócio Proprietário do Club de Regatas Vasco da Gama

9

Por José Paz de Oliveira

Meu querido e amado Amigo, quem diria, 117 anos…

Hoje é mais um dia do seu aniversário. Ao contrário do ano passado, eu e seus verdadeiros amigos estaremos comemorando mais uma data da sua eternidade. Iremos comemorar com tudo que tens direito, pois o respeito voltou, és novamente o Almirante, o Desbravador.

Sabemos da gravidade do seu estado de saúde, mas a chama que mantivemos acesa no ano passado se propagou e queimou todos aqueles vírus que lhe causaram grave enfermidade. Os falsos amigos que lhe tiraram do rumo ainda não foram totalmente incinerados, mas continuamos atentos a lhe proteger. O leme da sua nau está novamente em mãos confiáveis, norteado pela luz que sempre lhe guiou aos portos seguros das vitórias e conquistas.

Ainda encontra-se na UTI, carece de cuidados, mas as notícias são alvissareiras. A sua “casaca” recebeu mais uma estrela, a 23ª, brilhante como poucas, pois foi conquistada com o mesmo descrédito daquela primeira, há 92 anos. Uma estrela que, como aquela, veio mostrar aos adversários e aqueles que atentaram contra a sua história, que basta um sopro de vida, um único pulsar, para que a sua força sobrepuja às demais.

Sua casa encontra-se novamente limpa, há obras, há projetos. A bandeira da sua Pátria tremula novamente, suas cores voltaram. Há alegria em sua casa, voltou o respeito aos seus colaboradores, voltou a credibilidade. Os corsários ainda rondam a baía, mas tendo seus potentes canhões apontados contra eles, não se atreverão novamente. Ainda encontramos vários dos seus adeptos hipnotizados pelo canto da sereia que seguiram, mas vão acordar gradativamente desse encanto.

Hoje a sua tripulação é composta pelos mesmos experientes marinheiros que um dia foram chamados de vagabundos. A eles, juntaram-se novos grumetes, futuros marinheiros, capitães da sua nau.

Nem tudo são flores, é verdade. Em seu nome, aqueles que o vilipendiaram assinaram documentos lesivos, confessaram valores indevidos. Seus seguidores fieis ajudam a honrar seus compromissos, buscam soluções, e elas virão. Mas você é forte, amigo, enverga mas não quebra. “O bambu que se curva é mais forte que o carvalho que resiste”.

Você hoje ainda se encontra debilitado, mas sua casa tem novamente a luz que sempre o guiou, a crença na sua eternidade. E como prometemos, não o deixamos só, nem deixaremos agora. Continuaremos a vigília na sua convalescença, o protegeremos. Nós sopramos suas velas na calmaria, remamos contra as más marés e já podemos dizer que vemos sinais de um porto seguro no horizonte.

Cumprimos o prometido, expulsamos quem o subjugou. Agora aguardamos que se recupere de vez, que “Venha à luta com essa juventude, que não foge da raia a troco de nada”, afinal, apesar deles, daquele passado iníquo hoje já é outro dia. Que o amanhã seja melhor e sempre.

Parabéns Almirante, força! Muitas gerações estão por vir para venerarem seu passado, suas glórias, histórias de lutas sociais contra preconceitos, suas conquistas… Serão essas gerações que escreverão em seu diário de bordo as mais lindas conquistas vindouras, conquistas e glórias que nutrirão a sua eternidade.

O ALMIRANTE VOLTOU, PONTO!

José Oliveira

*José Paz de Oliveira é Sócio Proprietário do Club de Regatas Vasco da Gama, com muito orgulho e respeito.

A Luta por um lado se baseia em uma conquista, num direito adquirido em 1950 quando conquistamos dentro de campo o primeiro campeonato carioca da era do Maracanã, e por mais de 60 anos era respeitado este acordo. Tradição é tradição e todos os clubes prezam e gostam de demonstrá-la para seus torcedores e simpatizantes, mas isto não pode ser feito somente quando a situação convém. Devemos honrá-la.

Mas neste momento vem sendo desrespeitado pelo Fluminense a tradição. O clube das Laranjeiras agarrou-se em uma oportunidade injusta e com a parceria do Consórcio Maracanã da construtora Odebrecht, muito conhecida hoje pela operação Lava Jato, assinou um contrato – que nunca foi mostrado – do nosso Maracanã, construído com o dinheiro de todos os torcedores e comparando-se os impostos recolhidos, no caso específico entre as torcidas de Vasco e Fluminense, com um valor muito maior nosso, devido à lógica da diferença do tamanho das torcidas em questão.

Então, peço para que todos os torcedores do Vasco se unam nesta questão, esquecendo qualquer conotação política, a fim de lutarmos por este direito adquirido, pois no final será a vitória do respeito, da palavra, da tradição, do VASCO.

Precisamos lutar contra o que entendo seja o maior inimigo do futebol carioca no momento, que é o preço aplicado pela administração do Consórcio Maracanã no aluguel do estádio, construído e reformado com dinheiro público, e sua interferência em assuntos do futebol nos quais não deveria adentrar.

O Fluminense, por outro lado, de forma oportunista, quer impor a nós torcedores do Vasco a perda do nosso direito.

Tomei minha decisão e lutarei pelo VASCO, pelo nosso lado direito das cabines de rádios do Maracanã e não posso ir ao Maracanã sem que o lado de nossa torcida seja respeitado e espero que nossa torcida faça com que Fluminense e o Consórcio Maracanã tenham prejuízo sem a nossa presença, enquanto perdurar este desrespeito.

Particularmente, em qualquer lugar que esteja ratifico a posição de que o lado direito é nosso! Nosso direito!

Saudações Vascaínas,

Roberto Rodrigues

*Roberto Rodrigues é Sócio Proprietário do Club de Regatas Vasco da Gama

CASACA! NO RÁDIO

0
Ouça a íntegra do programa CASACA! no Rádio de 04/12/2017 com participação de Sérgio Frias, Rodrigo Alonso e Iury Gaspar.