Início Colunas Contrato Ilegítimo

Contrato Ilegítimo

 

Baseado em contrato firmado com a Odebrecht, empresa gestora do Maracanã até segunda ordem, o Fluminense pretende exigir jogar contra o Vasco no estádio, no próximo sábado, mantendo sua torcida ao lado direito da Tribuna. Alega que o contrato define que assim deve ser.

O Vasco argumenta que o direito histórico de ocupar aquele lado é seu, uma vez que o título estadual de 1950, conquistado pelo clube, primeiro campeão na era Maracanã, lhe ofereceu esta escolha.

Há quem conteste este direito do Vasco. Baseiam-se no fato de que, quando o Maracanã foi entregue à iniciativa privada, contratos foram celebrados com Flamengo e Fluminense, tornando nulo tudo o que precedeu a administração Odebrecht. 

Pareceria uma questão de legalidade, a princípio. É que, recentemente, tomou-se conhecimento que a Odebrecht comprou o Brasil com propina. Lógico, comprou também o Maracanã, da licitação de suas obras ao direito de administrá-lo. Antes disso ser descoberto, portanto, pode-se pressupor que todos os contratos assinados por esta empresa possuíam validade. Incluindo o firmado com o Fluminense.

O problema é que, frente ao que temos almoçado e jantado nos últimos dias, querer fazer valer qualquer direito por algo assinado com a Odebrecht beira o ridículo. Seus executivos expõem ao respeitável público que a empresa opera há décadas na ilegalidade, corrupção e bandidagem. Ora, quem garante que os contratos assinados com Fluminense e Flamengo estão isentos, intocáveis, incólumes, imaculados, em meio a um mar de patifaria? Como acreditar que apenas a dupla fla-flu foi abençoada com contratos limpos? Como, portanto, apresentar cláusula de um contrato firmado com uma ré confessa para argumentar razão?

É óbvio que, neste cenário, os contratos assinados entre Fluminense e Flamengo com a Odebrecht estão sob intensa suspeita. É óbvio que não há neles nenhum valor ético. É óbvio que não podem prevalecer.

Dito isso, e por falta de algo honesto em contrário, o direito que deve prevalecer é o histórico. É o direito conquistado em campo. É, enfim, o direito, não a suspeita. Conceder ao Fluminense a possibilidade de garantir algo com base em um documento assinado por ele com uma empresa especialista em lafranhagem é um equívoco, se não jurídico, moral. É a garantia a quem desvia. É a vantagem aos que conspiram. É a sinalização de que a ladroagem ainda manda no pedaço.

Abraço
João Carlos Nóbrega

16 comentários

  1. Alô, alô, Fluminense você nem mais time grande é. Já pode ser considerado time médio e olhe lá. O Vasco tem cinco vezes mais torcida.

    Outra coisa aqueles sujeitos como o Mário Filho, João Saldanha, Armando Nogueira e outros que nem quero citar que eram inimigos tremendos do Vasco e manobravam sempre para que nosso clube ficasse abaixo dos riquinhos da zona sul e tentavam elevar o tricolor não existem mais.

    O Vasco, por si só, continuou gigante lutando contra todas as forças visíveis e invisíveis do esporte. A bandeira da aceitação do negro, do operário, do imigrante e ser suburbano colocam-no no pedestal de ser o clube mais popular que temos.

    Leiam o que o João escreveu acima. É muito sério para cantar de galo. como se fosse brincadeira.

  2. 100% correto. Sera uma vergonha este jogo no Maracana se mantendo um contrato com alguem que confessa e pelo visto prova que roubou o pais e o estado do RJ. Isso seria Imoral.
    Mais uma vez perfeito em sua coluna.
    Rumo ao Tri.
    Todo cuidado e pouco com as arbitragens. Marcelo de Lima Henrique e Pericles Bassols nunca.
    SV

  3. Um contrato não pode passar sobre os direitos de outros.Por exemplo, uma empresa de onibus municipal , não pode assinar um contrato com uma outra empresa qualquer dando descontos nas passagens para estes funcionários, pois uma permissionária deve cobrar passagens iguais para toda a população.Não sou advogado, mas me parece ter lógica.

  4. Você está CORRETO caro João, em termos éticos e pelo lado moral. Mas infelizmente enquanto não assumir o outro Consórcio, o Francês, vai seguindo o atual como válido até os franceses assumirem. Claro que é histórico e tradição do futebol Vasco e Flamengo comandarem os lados direito e esquerdo no Maracanã, mas duvido que algum juiz hoje ignoraria o tal contrato do Flu com o Consórcio atual, mesmo neste mar de lama que os caras estão protagonizando. Até a casa “cair” definitivamente, não acho que vá rolar. Depois a tendência é o Fluminense ficar com o contrato na mão, sem nenhum valor. Joguemos no Engenhão!!

  5. Esse contrato é tão suspeito, que tanto a empresa quanto o Fluminense se negaram a mostrá-lo na época em que o Vasco solicitou que viesse a público a tal cláusula, que daria então, o direito a torcida do Fluminense de ter lugar fixo no estádio.
    Direito esse, e cláusula essa, que na verdade nunca existiram, pois se realmente houvesse no contrato isso especificado, não teriam porque esconder, e já teriam mostrado.
    Se tratando da Odebrecht e do Fluminense, pelo passado já conhecido de ambos, será que existe mesmo qualquer tipo de contrato ?
    Com relação ao contrato da Odebrecht com o Flamengo, já sabemos que tem até dirigente preso por conta dessa relação digamos, de negócios entre as partes.
    Será que há com algum dirigente tricolor também essa relação de, negócios entre as partes ?

  6. Creio que foi em 2015 que o FluminenC apresentou um ofício pra lá de fajuto que mais parece Grilagem e andaram postando na Facebook cujo dito contrato em um papel branco, sem timbre ou logotipo do Consórcio Odebrecht e do IMX E logo justamente que?

    O REI do TAPETÃO?

    E eles não se mancam mesmo hein?

    Com essa conversa da ARCA da VELHA!

  7. Será que o Supremo vai fazer a maior safadeza do século ao dar o título para o Flamengo do brasileirão de 87? Então bagunçará geral! O parecer será hoje. Bem, confiamos no bom senso e na lisura dos juízes.

  8. Esse contrato vai ser desfeito logo, mas enquanto isso é o q vale. Vamos pro jogo e vamos humilhar as flores no campo e na arquibancada. Eles ficam dessa vez no lado direito, depois quando a empresa francesa entrar volta tudo ao normal.

  9. O TJD indeferiu a limitar do Vasco . Agora , no país do impeachment, tudo vale , até contrato que fere direitos alheios.

  10. Contratos firmados com essa Odebrecht tem tanta credibilidade quanto uma nota de 3 Reais. Vale a tradição histórica do Vasco ficar no lugar que conquistou por direito.

  11. que contrato?? a ferj tem cópia deste contrato???? então apareça o contrato!!!!

    o arbitral não definiu que os mandos de campo são da ferj???? quem manda na é a ferj???

    porque tjdfla entrou na jogada, tão pressionando a ferj???? que a ferj anuncie engenhão e bote os ingressos à venda pro mesmo estádio ou maracanã pro setor sul sendo o Vasco, qualquer coisa diferente disso não tem cabimento seja pelo desreipeito histórico, seja pelo cinismo e demagogia sobre este contrato já totalmente enquadrado senão em todos!!!!, em vários incisos do art. 77 da lei 8666/93, devendo operar o art.59 do mesma norma.

    mas como tá tudo comprado e dominado, o que deve ser feito é: se com sacanagem operam, com sacanagem devem ser operados estes tricoletes e flapress, simples assim, mesma moeda neles.

  12. A decisão do título de 1950, com o Maracanã lotado em record de renda na América do Sul, mais de 130.000 pessoas, eu estava lá com meu pai e meu irmão à direita da tribuna, das cabines de rádio.

    Nesses anos todos sempre fiquei à direita, direito conquistado pelos vascaínos.

    Agora vem esse clube de coxinhas da zona sul, cuja torcida despenca em número a cada ano que passa, diz que combinou com quem quer que seja que eles é ficam à direita.

    Como é que vai ser? Vai haver tumulto e brigas por isso? Quem são os responsáveis pelo que acontecer de ruim por isso?

    Respeitem as crianças e mulheres, caras. Estaremos de olho. A torcida do Vasco vai comparecer em peso. E é 5 vezes maior do que a deles.

  13. Tudo isso cairá por terra agora que o Gov. do Estado resolveu promover nova licitação e o contrato do Fluminense com a Odebrecht deixará de ter validade.

Responder